Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Beatriz-Campos-1
|

O ex-presidente Lula já está há 222 dias preso na masmorra de Curitiba, vítima da mais implacável perseguição política desde os tempos da ditadura militar. Além da condenação de 12 anos e um mês decretada pelo inquisidor fascista Sergio Moro, devido à farsa do tríplex do Guarujá, agora Lula pode ser condenado, novamente sem provas, por uma reforma no sítio de Atibaia.

Moro provou, de uma vez por todas, que a prisão de Lula foi política e montada para que o petista não pudesse vencer as eleições, mas sim Jair Bolsonaro, candidato de Moro e dos golpistas. Assim, Moro foi premiado por seus serviços prestados ao imperialismo ao ser escolhido como Ministro da Justiça e Segurança Pública do novo governo de extrema-direita.

Há mais provas de que Moro prendeu Lula para eleger Bolsonaro e virar ministro do que de que Lula teria cometido algum dos crimes imputados a ele.

Ontem (14), na primeira vez que Lula saiu do cárcere em mais de sete meses, para prestar depoimento à escolhida de Moro para continuar a perseguição política, Gabriela Hardt, houve uma mobilização dos movimentos populares para apoiar o ex-presidente e denunciar o golpe.

Militantes do MST, da CUT, do PT e do PCO estiveram presentes de maneira combativa no ato. Também compareceram parlamentares petistas, como Gleisi Hoffmann, Paulo Pimenta e Lindbergh Farias.

Entretanto, o que mais chamou a atenção para a verdadeira luta que deve ser travada para libertar Lula foi o presidente da CUT, Vagner Freitas. Seu discurso diante da militância se apresentou muito combativo, denunciando a fraude eleitoral, dizendo em alto e bom som que Bolsonaro é um presidente ilegítimo e que deve ser derrotado pela mobilização popular.

“Todos sabem que Lula seria eleito no 1º turno, por isso está preso. Logo, fica muito claro que nós não reconhecemos o senhor Bolsonaro como presidente da República”, disse. “Vamos às ruas defender os direitos dos trabalhadores. E o principal defensor da classe trabalhadora é Lula. Por isso vamos libertar Lula, fazer caravanas com Lula pelo Brasil inteiro, defender os direitos dos trabalhadores e a democracia e colocar os fascistas no lugar deles”, continuou.

Freitas ainda afirmou que é preciso “desafiar Bolsonaro e dizer que não temos medo dele e vamos derrotá-lo nas ruas”.

Essa posição expressa pelo presidente da maior central sindical da América Latina é extremamente importante e significativa. É um chamado a todos os trabalhadores do Brasil a não reconhecerem a eleição fraudulenta do ilegítimo Jair Bolsonaro e a derrotar todos os fascistas nas ruas.

Tal posição vem ao encontro do que é proposto pelo Partido da Causa Operária (PCO). Bolsonaro foi eleito contra a vontade popular. O povo queria liberdade para Lula e que ele fosse eleito presidente da República. Prenderam Lula para impor o fascista Bolsonaro ao povo. Ele não é legítimo e deve ser combatido e derrotado nas ruas.

Somente o povo nas ruas, organizado em suas entidades de luta e com uma grande mobilização revolucionária dos trabalhadores, poderá libertar Lula, o presidente do povo, e derrubar Bolsonaro e o golpe de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas