Policiais invadem sedes do PT para defender o interesse dos golpistas

polícia-federal

Nesta sexta (dia 28), elementos da Justiça Eleitoral e das forças da repressão do Estado realizaram invasões de sedes de Diretórios e de comitês eleitorais de candidatos do Partido dos Trabalhadores e de seus aliados estaduais nas eleições deste ano nos estados de Minas Gerais, Bahia e Pernambuco.

Em MG, Estado onde a presidente Dilma Rousseff lidera com larga margem as pesquisas de intenções de voto para o senado, e que em 2014 foi decisivo para a vitória da candidatura presidencial do PT, a invasão está sendo realizada pela Polícia Militar e atingiu sedes e comitês do PT em dezenas de cidades e do PCdoB na Capital.

Em Pernambuco, a Justiça Eleitoral determinou a apreensão em endereços de diretórios estaduais do PT e do PSB, e em mais sete endereços, de todo o material gráfico impresso em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece como apoiador à reeleição de Paulo Câmara (PSB) ao governo de Pernambuco.

Na Bahia, agentes da Superintendência da Polícia Federal cumpriram mandado de busca e apreensão, em três comitês eleitorais de candidatos do PCdoB e do PT, na cidade de Vitória da Conquista, no Sul do Estado e terceiro maior colégio eleitoral baiano. “As buscas tinham objetivo de tirar de circulação materiais de campanha, como ‘santinhos’, com o nome e a foto do ex-presidente“. O Estado é o mais atingido com a decisão adotada nesta semana de cancelar o título de eleitor de 3,4 milhões de brasileiros, com quase 600 mil títulos cancelados (mais de 5% do eleitorado do Estado).

Esta operações policiais se somam a ações semelhantes realizadas ao longo da semana em outros estados, como Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo e Paraná, evidenciando o aprofundamento da operação que confirmam o que a CUT e as principais organizações populares, bem como setores do PT, afirmavam há mais de um ano diante das condenações impostas a Lula sem provas: “eleição sem Lula, é fraude”. Posição que o Partido da Causa Operária e os Comitês de Luta Contra o Golpe continuam defendendo, com base nos fatos ocorridos e que tende a se comprovar com maior intensidade nos próximos dias.

A ditadura do judiciário golpista no processo eleitoral, não se limitou a condenar, manter como preso político há seis meses e cassar sua candidatura, bem como outras centenas de candidaturas, impor normas que impedem – de fato – a realização de uma verdadeira campanha eleitoral etc. Estas iniciativas deixaram claro que não havia e nem há limites para ação persecutória e farsesca do judiciário, visando cumprir as determinações dos donos do golpe, o imperialismo norte-americano e seus sócios menores da burguesia “nacional”que tem como objetivo assegurar a “eleição” de um novo carrasco do povo brasileiro que leve adiante os planos de ataque ao povo e à economia nacional que se desenvolvem sob o regime golpista.”

Ao mesmo tempo que o golpe e a ditadura se aprofundam, a direita busca criar uma aparência democrática por meio da ilusória campanha “#elenão” que, com apoio de setores da esquerda pequeno burguesa, visa jogar areia os olhos dos setores que poderiam estar lutando contra a fraude das eleições, pela liberdade de Lula e contra o golpe, encenam uma “luta contra o fascismo” com os setores mais reacionários e realmente perigosos os regime golpista, como o PSDB, DEM, a Rede Globo, a Revista Veja, MBL etc.

Com eles não! Contra a ditadura do judiciário e todo o regime golpista, por eleições livres e democráticas, pela imediata liberdade de Lula e pela derrota do regime golpista, superar a política de colaboração e “unidade” com “donos do golpe” e fortalecer a organização independente dos explorados para abrir uma perspectiva de vitória na luta contra os golpistas.