Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
brasil-fachin-temer-20150616-003
|

A tradicional lerdeza do judiciário, não existe quando se trata de dar continuidade aos processos arbitrários e de perseguição contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, único candidato com real apoio popular, com apoio de mais de 60 milhões de intenções de votos, de acordo com as pesquisas contratadas, realizadas e divulgadas pelos monopólios capitalistas que apoiaram o golpe de Estado e apoiam os candidatos golpistas.

Em menos de 12 horas, na véspera de um feriado, e no mesmo dia em que o País assistiu a uma verdadeiro espetáculo da divulgação de um suposto atentado contra o candidato direitista, Jair Bolsonaro, dois ministros golpistas do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitaram recursos da defesa de Lula. Assim, mais uma vez a maior liderança popular do País foi – mais uma vez – atacado e violado em seus direitos, mas a “vitima” do dia, foi o candidato que defendeu dias atras “metralhar os petralhas” e que teria sido atingido por uma faca que teria provocado “ferimentos” sem deixar à mostra uma só gota de sangue.

Na manhã dessa quinta (dia 6), um pedido cautelar da defesa, apresentado pela via penal contra a condenação de Lula a doze anos e um mês de prisão, no qual se pedia a suspensão da inelegibilidade de Lula, negado pelo ministro Edson Fachin; o mesmo que no espetáculo de horrores realizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na última sexta-feira, protagonizou um voto isolado parcialmente contra a cassação de Lula (favorável à sua elegibilidade). À tarde, o ministro Celso de Mello, rejeitou  cautelar que visava permitir que Lula mantivesse sua campanha enquanto é analisado um recurso extraordinário apresentado contra a rejeição do registro do ex-presidente como candidato pelo TSE.

Em jogo articulado, a presidente do TSE, Rosa Weber, deu três dias de prazo para os dezesseis autores de impugnações contra Lula se manifestarem, ante ao recurso apresentado pela defesa, o que deve acarretar que o juízo de admissibilidade do pedido de recurso junto ao STF, seja definido bem próximo de 10 dias estabelecido pelos golpistas do TSE para que a coligação O Povo Feliz de Novo (PT, PCdoB e Pros) substitua a candidatura de Lula (no próximo dia 11). Celso de Mello, usou a situação para negar o pedido de liminar da defesa de Lula, alegando que era “totalmente prematura a formulação perante o Supremo Tribunal Federal”, pois – segundo ele – “a avaliação da presidente do TSE se o pedido cabe ou não antecede a análise do caso pelo Supremo“.

Completando a operação golpista, sites direitistas divulgaram no final da tarde que o comandante do Exército, general Villas Bôas, teria convocado uma reunião de emergência do Alto Comando – que reúne 16 generais quatro estrelas – sob a alegação de que o suposto atentado a Bolsonaro, mostraria que a “a situação do país piorou“.

O vice golpista da chapa de Bolsonaro, o general Antonio Hamilton Mourão, por sua vez, acusou o PT pelo suposto atentado, afirmando “eu não acho, eu tenho certeza: o autor do atentado é do PT“, e ameaçando: “se querem usar a violência, os profissionais da violência somos nós”.

Longe de se tratar de um problema eleitoral, o que temos aqui é toda uma operação criminosa, conjugada, do judiciário, dos monopólios da imprensa, dos partidos da direita, das Forças Armadas, das organizações empresariais e demais setores golpistas, submissos aos ditâmes do imperialismo norte-americano.

Aproxima-se a data prevista para as eleições e a direita precisa consumar a nova etapa do golpe, fraudar o processo eleitoral, realizando as eleições sem a participação do candidato apoiado pela maioria do eleitorado e com os principais candidatos dos maiores partidos da burguesia golpista totalmente rejeitados pela imensa maioria da população, assim como o governo e todo o regime golpista que eles ajudaram a erguer com a derrubada de Dilma.

Mais do que nunca defender Lula, lutar por sua liberdade e por sua candidatura, é lutar contra o golpe. Ceder às pressões da direita para substituir a candidatura de Lula é endossar a fraude que estão preparando e que já estão realizando.

Capitular diante da pressão da direita é semear a ilusão de que, sem Lula, e se submetendo à toda a operação farsesca morada pela direita poderá haver qualquer possibilidade de vitória da esquerda e dos trabalhadores nas eleições, quando os sinais em contrário são gritantes.

O caminho para derrotar esta fraude, não é dos tribunais (mesmo que todos os recursos devam ser usados). A direita já mostrou que o golpe só pode ser derrotado por meio de uma mobilização revolucionária das massas.

É hora da esquerda e de das organizações dos explorados de luta contra o golpe convocarem uma ampla mobilização, uma nova Marcha, de 100 mil, para ocupar Brasília, e colocar em movimento a única pressão que a direita entende, a pressão das ruas, da mobilizações dos trabalhadores e das suas organizações  contra o regime golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas