É Lula ou nada! Um passo em direção a uma mobilização revolucionária

Eleições-sem-Lula-é-Golpe3

No dia de hoje, em Brasilia, dezenas de milhares de pessoas estarão reunidas em uma das mais importantes mobilizações da recente história de luta contra o golpe.

Estão presentes na Capital Federal os ativistas dos partidos de esquerda (principalmente do PT e do PCO), da CUT e dos seus sindicatos filiados, do MST, da CMP e de inúmeras outras organizações de luta dos explorados que, em sua maioria integram a Frente Brasil Popular. É um apoio resoluto da vanguarda de luta contra o golpe de Estado ao registro da candidatura presidencial da maior liderança popular do País, Luiz Inácio Lula da Silva. Uma vanguarda que se opõe à política de se render diante da operação armada pelos golpistas que querem realizar eleições fraudulentas, sem a participação do candidato preferido pela maioria do povo trabalhador; que querem fazer das eleições uma fraude total, servindo apenas para referendar um novo carrasco que intensificará os ataques que estão destruindo a economia nacional e promovendo o maior retrocesso nas condições de vida do povo trabalhados de todos os tempos.

Estão em Brasília hoje os que conseguiram superar inúmeros obstáculos, como a confusão e dispersão política de certos setores da direção que vacilaram em colocar todos os esforços nessa mobilização que constitui, nesse momento, o eixo fundamental da luta contra o golpe.

Estão superados aqui os setores que preferem evitar a via do confronto com as instituições do golpe, porque defendem uma política de conciliação com a direita que se expressou e se expressa na defesa de várias formas de um “plano B” – de abandono da candidatura de Lula. Seja para apoiar um candidato abutre de fora do partido, seja para substituí-lo por um candidato mais palatável para a direita golpista.

Essa não é a política da imensa maioria dos manifestantes e de centenas de comitês de luta contra o golpe em todo o País que  evoluíram na compreensão de que a defesa da liberdade de Lula e de sua candidatura é o aspecto mais central e unificador da luta contra o golpe neste momento.

Por isso mesmo, a Conferência Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe – realizada nos dias 21 e 22 de julho em São Paulo – deliberou o eixo de ação “Ocupar Brasília, em favor do registro da candidatura de Lula, e de sua liberdade”.

Nesse sentido, o ato não deve ser um ponto de chegada, como muitos pretendem, mas uma alavanca para impulsionar uma mobilização em todo o País, que coloque a maioria dos explorados e de suas organizações no caminho de enfrentar as instituições golpista. O judiciário e a venal imprensa burguesa buscam, a todo custo, deixar Lula de fora da disputa presidencial e aprofundar o golpe de estado, colocando-o em uma nova fase, de ataques ainda mais brutais contra a imensa maioria do povo brasileiro.

Por isso tem enorme importância a mobilização de hoje em Brasília e a “onda” de luta contra o golpe que ela pode impulsionar.

Que as organizações de luta dos explorados e os milhares de jovens e trabalhadores digam em alto e bom som que não vão aceitar, não vão referendar, eleições sem Lula. Pois eleição sem Lula é fraude!

É Lula ou nada!