Abaixo o golpe do “Dia D” e a BNCC golpista contra o ensino público

WD_inscricoes_balanco_enem_05232016_2
Por meio do Ministério da Educação (MEC) e do Conselho Nacional de Secretários de Educação (CONSED), o governo golpista de Michel Temer, convocou para hoje, um dia de debates nas escolas sobre Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio (BNCC), denominando`-o de “Dia D’ da BNCC”.
O governo tenta armar uma farsa de “consulta” para dar uma aparência de que a medida, resultada da famigerada “reforma” do ensino médio, levará em conta a opinião dos docentes, quando – obviamente – o governo já decidiu tudo e pretende impor mudarás rejeitadas por todas as organizações dos trabalhadores da Educação (como a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação – CNTE, sindicatos etc.), dos estudantes (UBES etc.), especialistas da Educação etc.
A própria convocação do “debate” evidencia o caráter farsesco desse “Dia D”. O chamado ao “debate” foi divulgado no período de durante o recesso escolar (23 de julho), poucos dias antes da sua realização. Isso quando o debate deveria ocorrer em mais de 28 mil escolas públicas e particulares e envolver mais de 500 mil professores e professoras. E quando a proposta governamental tem mais de 150 páginas de textos que supostamente deveriam ser debatidos e analisados pelos docentes para, depois,  responderem a um questionário elaborado pelos órgãos do governo golpista.
O governo busca por meio de uma fraude (da mesma maneira que os golpistas querem fazer nas eleições presidenciais sem Lula), referendar a proposta de “reforma” do ensino médio encaminhada ao Conselho Nacional de Educação (CNE), depois que este foi recomposto em 2016, após o golpe de estado, que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, de forma a assegurar uma maioria favorável aos planos golpistas de destruição do ensino público.
A proposta prevê a possibilidade de eliminação de uma série de aulas e disciplinas nas várias séries do ensino médio, como Filosofia, Sociologia e Artes, além de criar condições para ampliar o ensino não presencial e não regular. Um “prato cheio” para os tubarões do ensino privado que já dominam os “negócios” do ensino superior, que para eles não é mais do que uma venda ade diplomas, e querem abocanhar uma fatia do ensino médio, que está sendo levado à falência total pela política de sucateamento da escola pública desenvolvida pelos golpistas e seus governos inimigos da Educação.
Contra esta operação de ataque à escola pública, é preciso rejeitar a farsa da “participação”, denunciar os reais objetivos privatizados da política anti-educacional do governo golpista, que – entre outras medidas – congelou os gastos públicos por 20 anos, eliminou a obrigação do repasse de 70% dos royalties do pré-sal para a Educação e está preparando a liquidação do piso salarial nacional dos professores, estabelecido em Lei, para depois das eleições.
Como corretamente indicou a CNTE e seus sindicatos filiados (que representam mais de 2 milhões de trabalhadores da Educação), “para evitar que o governo use o Dia D para oficializar o desmonte na área, como se os educadores estivessem de acordo com a reforma do ensino médio” é preciso “promover intenso calendário de mobilização e denúncia da BNCC, aproveitando o momento para debater com trabalhadores e trabalhadoras em educação, as reais consequências da Reforma do Ensino Médio“.
Para derrotar essa e outras “reformas” do regime golpista que eliminam conquistas de décadas de luta dos trabalhadores e da juventude, como é o caso da famigeradas reforma trabalhista (também já aprovada)  e da Previdência (que eles querem colocar em pauta logo após as eleições para acabar com as aposentadorias), é preciso esclarecer claramente nas escolas e nas comunidades escolares que essa luta só poderá ser vitoriosa por meio da derrota do golpe de estado, o que nesse momento passa pela luta pela liberdade de Lula e pela defesa de sua candidatura presidencial, a única de oposição ao golpe, que representa a luta contra a destruição do ensino público e que unifica as mais importantes organizações de luta dos trabalhadores e da juventude em que lutam pelo ensino público gratuito e de qualidade para todos, em todos os níveis.
Não à farsa do “Dia D”. Abaixo o BNCC golpista e a a “reforma” privatista do ensino médio. Mobilizar contra o regime golpista, inimigo do ensino público e pela liberdade de Lula.