HAMBURGUER CE1920
SHARE

Fim de todos os bloqueios econômicos do imperialismo!

Genocida "científico"

Marquinhos Trad quer contaminar jovens e seus familiares no MS

Cerca de 110 mil jovens da capital de MS encontram-se ameaçados de retomar em plena 3ª onda, mesmo fora do plano de vacinação

Alunos têm pais, obviedade esquecida pela indiferença da classe dominante com a população – Foto: Campo Grande News/Arquivo

A prefeitura de Campo Grande anunciou o retorno às aulas presenciais na rede municipal de ensino a partir do dia 18 de julho. Para o governo do oligarca Marquinhos Trad (PSD), a reabertura das escolas seria segura porque os mais de 15,2 mil trabalhadores da educação já estarão imunizados com ambas as doses da vacina, cuja primeira aplicação já teria sido administrada.

Ocorre que professores e demais servidores não correspondem a mais do que uma pequena fração da comunidade escolar, composta majoritariamente por estudantes. No caso da capital de MS, cerca de 110 mil jovens continuam fora do plano de vacinação e muito longe de estarem seguros dos efeitos mais nocivos do contágio. E sobre a vacinação dos estudantes campo-grandenses, nenhuma palavra do governo Trad, supostamente, um direitista “científico”, “civilizado”, entre outros epítetos comumente reservados aos setores mais poderosos da burguesia, como os latifundiários de MS representados pela oligarquia Trad.

Cumpre lembrar que a paralisação das atividades escolares, é ainda mais imperiosa para os estudantes, que em geral, pertencem aos setores mais pobres da sociedade. Um número enorme de jovens vivem em moradias precárias, imersos em um estado de pobreza com consequências terríveis à capacidade de resistir a um eventual contágio. E o que Marquinhos Trad faz ao determinar a volta às aulas é condenar essa parcela da população campo-grandense.

Considerando-se a característica média da família trabalhadora brasileira, composta por dois adultos e dois jovens, mas admitindo que os dois jovens estarão nos vetores de transmissão da pandemia que se tornarão as salas de aula, temos que cerca de 330 mil pessoas encontram-se diretamente ameaçadas com a reabertura das escolas. Afinal, os jovens voltarão para suas residências. É preciso considerar ainda que cerca de 200 mil pessoas circulam diariamente pelo mesmo transporte público que muitos desses jovens usarão para seus deslocamentos. Uma situação ameaçadora também ao conjunto da cidade.

A juventude campo-grandense não pode e não irá aceitar a política genocida de Marquinhos Trad. Mais do que nunca, a organização de comitês de luta dos estudantes, com a presença dos secundaristas, faz-se necessária para enfrentar a barbárie, exigir a vacinação da juventude e o “Fora Marquinhos”.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.