Invasão nos assentamentos
O envio da Força Nacional para invadir os assentamentos e reprimir o MST é a ditadura de Bolsonaro e é preciso organizar os trabalhadores para expulsar a Força Nacional da Bahia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
militares-da-forca-nacional-de-seguranca-garantem-a-fluidez-do-trafego-na-br-040-na-regiao-metropolitana-de-belo-horizonte-mg-1527286249805_1920x1279
Força Nacional está em Prado para acabar com os assentamentos da reforma agrária | Imagem: reprodução

Desde uma ofensiva dos latifundiários e da extrema direita, sob orientação do pistoleiro Antônio Nabhan Garcia, contra os assentamentos e o MST no Extremo Sul da Bahia mal sucedida foi enviada pelo governo Bolsonaro a Força Nacional de Segurança Pública (FNSP).

Diante da recusa das famílias dentro dos assentamentos em aceitar a política de privatização de assentamentos e da organização contra os ataques realizados por elementos da extrema direita da região, como políticos tradicionais como Wilson Brito e do vereador Jorginho do Guarani em contato direto com a secretária de assuntos fundiários do Ministério da Agricultura.

A última tentativa foi realizada na semana passada através da invasão do assentamento Jaci Rocha pela Polícia Federal, Polícia Militar e o INCRA, e onde foram completamente rechaçados pelas famílias e impedidos de cometer suas atrocidades dentro do assentamento.

Com o repúdio total a sua política e ao governo de Jair Bolsonaro, restou para implantar seus planos de destruição a reforma agrária no Extremo Sul da Bahia, o aumento da repressão e da intimidação através do envio da Força Nacional de Segurança.

Força Nacional enviada para atacar o MST, mas os planos é a luta pela terra na região

Pela primeira vez a Força Nacional de Segurança foi enviada com a justificativa de combater um movimento social. Sempre o envio da Força Nacional para áreas de conflito fundiário teve como justificativa pacificar a região e evitar que os conflitos se agravassem, mas ficava evidente que de maneira insidiosa combatia os movimentos de luta pela terra, seja indígenas, quilombolas ou trabalhadores sem-terra.

O envio, realizado por um dos elementos mais reacionários e contra a reforma agrária é do secretário de assuntos fundiários, Antônio Nabhan Garcia. Nabhan é conhecido por ser um dos principais articuladores da União Democrática Ruralista (UDR), através de grupos de pistolagem na qual o secretário participava ativamente.

O envio da Força Nacional está nesse momento mira o principal e mais organizado movimento de luta pela terra da região. Isso não ocorre por acaso, pois enfraquecendo e acuando o MST, os outros movimentos sociais, indígenas e quilombolas serão atacados de maneira mais fácil e agressiva.

A região conta com mais de 50 assentamentos rurais, dezenas de terras indígenas e quilombolas, sendo a maioria em processo de demarcação e regularização. São milhares de hectares que estão na mira dos latifundiários, grileiros de terra e especuladores imobiliários.

Uma Instrução Normativa (IN) 09/2020 publicada pela Fundação Nacional do Índio (Funai), está legalizando a grilagem nas terras indígenas Barra Velha do Monte Pascoal e Comexatibá, do povo Pataxó, certificando 58 propriedades privadas e milhares de hectares dentro das terras indígenas no Extremo Sul da Bahia Bahia, dos povos Pataxó e Tupinambá. Todas essas áreas muito próximas desses assentamentos.

É preciso unificar a esquerda e os movimentos de luta pela terra para expulsar a Força Nacional

Diante do aumento dos conflitos de terra na região impulsionados pelo governo Bolsonaro e do envio da Força Nacional de Segurança é preciso unificar os movimentos de luta pela terra e a esquerda para organizar os trabalhadores diante de um dos maiores ataques contra a luta pela terra.

É preciso convocar os movimentos de luta pela terra, sindicatos e partidos de esquerda para organizar reuniões e discutir a presença da Força Nacional e organizar atividades, manifestações, ocupações e trancamento de rodovias em toda a região para forçar a saída de uma força de repressão federal para beneficiar os latifundiários da região.

Fica evidente que essa repressão não é apenas contra o MST, mas também contra indígenas e quilombolas. O envio da Força Nacional é mais um passo na implantação de uma ditadura militar com características fascistas e é preciso repudiar da maneira mais enérgica possível.

É preciso organizar uma grande campanha entre os trabalhadores e expulsar da maneira que for necessária a Força Nacional de Segurança dos assentamentos e do Extremo Sul da Bahia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje

Nenhum dado até agora.