Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Rio de Janeiro - Copacabana recebe 21ª Parada do Orgulho LGBT que tem como tema neste ano Eu sou minha identidade de gênero (Tomaz Silva/Agência Brasil)
|

No dia 16 de julho, uma militante transexual do PSOL foi sequestrada e agredida na Zona Leste da cidade de São Paulo.

Segundo relatos que ela prestou à polícia, os atacantes eram dois homens armados dentro de um sedan, que a obrigaram a entrar no carro.

No interior do veículo, a militante foi agredida e ameaçada, depois os homens pararam o carro e começaram a espancá-la. Finalmente, ela conseguiu escapar e fugir. Ela teve o celular roubado e foi socorrida na rua por pedestres, que a levaram a um pronto-socorro.

O PSOL divulgou nota denunciando o caso, na qual diz: “O PSOL afirma que o ocorrido, sem precedentes, configura crimes gravíssimos motivados por razões políticas e transfóbicas. Criminosos que o praticam são movidos pelo ódio e conduta assassina, de cunho fascista, e têm por objetivo intimidar militantes como a companheira e o conjunto da militância de um partido de esquerda coerente e reconhecido pela sociedade, como o PSOL. Tais pessoas e seus possíveis mandantes não apenas não terão êxito nesses objetivos, como terão de responder criminalmente por seus atos, pois o partido não permitirá que o caso passe impunemente.”

Sem dúvida nenhuma trata-se de um ataque fascista, de bolsonaristas, absolutamente brutal e criminoso. Um ataque claramente por motivos políticos por se tratar de uma militante de esquerda, e sociais, por ser uma pessoa transexual, de uma camada das mais oprimidas dentro da sociedade. Ou seja, um típico ataque fascista.

Entretanto, não se pode acreditar que ações na justiça resolverão a onda de ataques da extrema-direita contra a esquerda e os setores explorados da população. Os grupos fascistas nunca foram realmente combatidos pelo judiciário, em nenhum país do mundo e em nenhum momento da história. A polícia também nunca protegeu a população dos ataques da extrema-direita, pelo contrário, age em conluio com esta e muitos elementos que integram os corpos fascistas são provenientes dos órgãos de repressão do Estado.

Desde o início do golpe que derrubou Dilma Rousseff e, particularmente, com a ascensão de Bolsonaro, a extrema-direita frequentemente provoca ataques contra militantes de esquerda, mulheres, negros, LGBTs, trabalhadores, camponeses e, principalmente, grupos que estão à margem da sociedade, por serem mais vulneráveis e desorganizados.

Para combater e contra-atacar, é preciso que esses setores da população se organizem e se unam, entre si e na luta geral contra a direita e o golpe. Somente uma luta real, formando comitês de autodefesa e comitês de luta contra o golpe, organizando-se junto aos movimentos populares, poderá fazer com que esses setores impeçam os ataques fascistas e coloquem a extrema-direita em seu lugar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas