“É preciso convocar uma Constituinte, pois a Constituição de 88 eles rasgaram”, diz Lula

No discurso de lançamento do livro A verdade vencerá: o povo sabe por que me condenam, o ex-presidente Lula reafirmou a necessidade de se convocar uma nova Constituinte no Brasil, aquela realmente represente os trabalhadores, os índios, os negros e as mulheres do país, e que finalmente reflita os anseios do povo brasileiro.

Dentre as mudanças, ele defendeu a regulamentação da imprensa, a isenção de imposto de renda para trabalhadores que ganhem até cinco salários mínimos, uma maior tributação para os ricos, a retomada do poder e do controle das empresas estatais, como a Petrobrás, o BNDES, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal.

E finalizou lembrando que o Brasil é do povo, e não dos golpistas, ou dos banqueiros, que rasgaram a atual Constituição.[1]

Sobre a proposta, é necessário apoiá-la e levá-la adiante, como único meio de recuperar o Brasil da crise na qual os golpistas jogaram o país depois do golpe de Estado de 2016, que resultou na derrubada de Dilma Rousseff.

Deve-se registrar que a atual Constituição não está mais em vigor, os direitos fundamentais não são mais respeitados pelas instituições, não existem mais as políticas públicas mínimas que ela previa, os Poderes estão todos dominados por traidores da nação, subjugados aos interesses estrangeiros do imperialismo.

É necessário impedir a prisão de Lula, sair às ruas e defender a ideia de convocação de uma nova Constituinte, aquela que realmente represente os anseios do povo brasileiro.