Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
meme - fora bolsonaro3
|

O resultado das fraudulentas eleições encerradas no último domingo, nas quais a vitória da direita só se tornou possível graças à condenação sem provas, prisão ilegal e cassação arbitrária do único candidato com apoio popular, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva; impôs o resultado, parcialmente desejado pelos donos do golpe: a eleição de um candidato súdito do imperialismo e do grande capital “nacional” que busque impor o aprofundamento dos planos de ataque ao povo brasileiro (maiores cortes nos gastos públicos, apresentados como “redução déficit”; privatizações, fim das aposentadorias para a imensa maioria dos trabalhadores; eliminação de direitos dos trabalhadores etc.) e uma maior destruição da economia nacional em favor dos grandes monopólios internacionais.

O resultados das eleições por eles fabricado e apresentado, mesmo com toda manipulação e fraude, mostrou que essa política não tem, é claro, o apoio da maioria do povo brasileiro. Ainda que a direção da esquerda tenha capitulado, inúmeras vezes, nesse processo, começando com a desistência da candidatura de Lula, diante das decisões legais do judiciário golpista e das ameaças de golpe de militar, dos chefes militares que apoiaram o golpe de estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, assumiram o controle das principais postos do governo Temer e até do judiciário (onde nomearam um general, ex-comandante do Estado Maior das Forças Armadas, para assessor especial da presidência do STF), a direita obteve menos de 40% de apoio eleitoral, ou seja, mais de 60% dos eleitores não votaram na chapa do golpe militar, Bolsonaro-Mourão.

Após as eleições, ficou ainda mais evidente o caráter artificial e minoritário do apoio à direita. Sua eleição foi comemorada apenas por uma pequena parcela de setores desiludidos da classe média e burguesia e setores muito minoritários iludidos pelas manobras eleitorais e falsificações realizada pela direita no processo eleitoral. A “festa’ da direita se limitou aos tradicionais locais de concentração dos covinhas, como a Av. Paulista, a Barra da Tijuca e Copacabana (no Rio), a praia da Boa Viagem (Recife) etc.

No dia seguinte, ao da proclamação dos resultados, organizações direitistas convocaram manifestações de apoio a Bolsonaro e algumas das principais universidades do País: a USP e a UNB. reuniram meias dúzia de “militontos” que foram colocados para correr por centenas de estudantes que gritavam “fora Bolsonaro”.

Eles só tem “força”, no jogo sujo e controlado das eleições e nas ações covarde que realizaram contra mulheres, homossexuais, negros e lideranças populares que atacaram de forma covarde. Quando os explorados se organizam e se juntam, eles correm.

Eles vão buscar impor seus planos contra o povo, por todos os meios. Vão se submeter ainda mais ao imperialismo. Se preciso, intensificarão a ditadura que já impuseram desde a o golpe de estado, em 2016, incluindo, a possibilidade concreta de um golpe militar.

A situação também comprovou à exaustão que o caminho para derrotar Bolsonaro e todos os golpistas, não é o do conciliação com setores que apoiaram o golpe e ajudaram – dia fato – a eleger a chapa do golpe militar; tampouco há saída por dentro das instituições do regime golpista, como o judiciário e o legislativo. Esse, a partir de 2019, terá uma composição ainda mais reacionária, com dezenas de militantes e integrantes dos órgãos de repressão e consorciados, eleitos nas eleições fraudulentas nessas que foram as eleições mais fraudulentas das últimas décadas.

A única alternativa real para enfrentar essa situação é organização e mobilização independente dos explorados e de suas organizações. Para impulsionar essa mobilização é fundamental ampliar o número e a atividade dos comitês de luta contra o golpe, pela liberdade de Lula. É preciso reunir todos esses comitês e unificar a atividade da esquerda que lutou e quer contra o golpe, para levantar a mobilização de todas as organizações de luta dos trabalhadores e da juventude, da cidade e do campo, para derrotar, nas ruas, como os métodos próprios de luta dos explorados, o golpe de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas