Frente Amplíssima
O governador Flavio Dino recém eleito para o consórcio da Amazônia quer se aproximar do vice presidente Mourão para “defender” a Amazônia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Oeco_Operação-Verde-Brasil-2-Mourão-2
Operação Verde Brasil realizada pelos militares para defender o latifúndio | Foto: reprodução

No dia 21 de dezembro, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), foi eleito presidente do Consórcio Amazônia Legal, formado pelos nove estados que compõem a região (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins).

Nem mesmo tomou posse, Flávio Dino já anunciou que vai buscar uma aproximação com o vice-presidente ilegítimo General Hamilton Mourão (PRTB). Como se o próprio anúncio da “aproximação” não bastasse para ser criticado, Dino ainda afirmou que faz isso porque possui um “excelente diálogo” com o vice-presidente da República. “Diante das resistências do governo federal em lidar com as pressões externas pela preservação, os Estados podem ajudar a restabelecer a confiança no cenário internacional. Nossa participação pode significar uma convergência mais ampla”, afirmou o governador do Maranhão.

Neste artigo vamos procurar mostrar que não há a mínima possibilidade de salvar ou desenvolver a região Amazônica sem derrubar o governo golpista de Jair Bolsonaro e toda a direita golpista que o colocou de maneira fraudulenta na presidência da República.

Um primeiro fato que tem que ser colocado é que a um dos setores que formam a base social do governo Bolsonaro são os latifundiários, um setor que vive da grilagem de terras públicas, e que há anos estão articulando contra a legislação ambiental e avançam sobre a região Amazônica.

Não é por acaso que durante seu governo os números de incêndios florestais, desmatamento e grilagem de terras aumentaram exponencialmente, inclusive muito mais que os registrados no governo do golpista Michel Temer.

O vice-presidente General Mourão é um dos responsáveis pela implementação desse plano dos latifundiários na região Amazônica. Foi um dos articuladores para a retirada de governos estaduais que foram a Amazônia Legal, organizações não-governamentais e representações dos trabalhadores e comunidades tradicionais do Conselho da Amazônia, órgão responsável por discutir o desenvolvimento da região e da conservação dos recursos naturais, e colocar em suas representações somente militares.

Além disso, foi um dos articuladores e coordenador da aplicação da GLO (Garantia da Lei e da Ordem) na região Amazônica desde 11 de maio deste ano para supostamente combater o desmatamento ilegal e focos de incêndio na Amazônia Legal, que está em vigor até os dias de hoje.

Essa medida colocou os órgãos ambientais e de fiscalização nas mãos dos militares. Essas ações eram planejadas e executadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ou Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Mas agora, nas mãos dos generais, policiais, e dos latifundiários.

Após a implantação da GLO os números de queimadas, desmatamento e grilagem de terras disparou e aumenta a cada mês. Dados recentes divulgados pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) expõem o quadro dramático da situação do desmatamento na Amazônia e as consequências das queimadas no Pantanal. A taxa oficial de 2020 é de 11.088 Km², a maior observada desde 2008. apresentando alta de 9,5% em comparação com o ano de 2019. Os dados alarmantes evidenciam um crescimento de 70% no aumento da destruição ocorrida na região. Para termos uma ideia do que isso representa, de 2009 a 2018, a média apurada foi de 6.500 Km² por ano. Dados oficiais apontam que de janeiro a novembro deste ano, foram destruídos pelas chamas 116.845 km² do território da Amazônia e do Pantanal, área equivalente a quase três estados do Rio de Janeiro.

Além do próprio Jair Bolsonaro e do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, um dos responsáveis por essa situação foi o vice-presidente Mourão. Isso porque através do controle das operações de combate ao desmatamento e a grilagem de terras nas suas mãos, conseguiu esconder e proteger os latifundiários responsáveis por toda essa barbárie e roubo de terras sem que se encontrassem os culpados.

Essas operações ficaram conhecidas por alertar os madeireiros e latifundiários das operações e quando a fiscalização chegava nos locais, não havia ninguém e as apreensões eram de algumas motosserras velhas, motos e veículos em condições deploráveis, ou seja, apenas operações de figuração.

A aproximação de Flavio Dino com o general Mourão para defender a Amazônia somente pode resultar em mais desmatamento e mostrar que dentro do governo Bolsonaro existem pessoas sensatas ou que podem ajudar na defesa da Amazônia. Neste segundo caso é limpar a barra dos culpados pelo desmatamento e grilagem de terras públicas na Amazônia.

O general Mourão está alinhado com o setor mais atrasado do país e responsável pela destruição dos recursos naturais e violência contra os povos indígenas, comunidades tradicionais e trabalhadores sem terra da região. Se aproximar de Mourão é se aproximar dos latifundiários e assassinos do campo que não querem desenvolver a região e sim grilar terras em detrimento dos trabalhadores do campo.

É preciso ficar claro que não há divergências entre Mourão e Bolsonaro nessa questão da Amazônia. A única possibilidade de mudança na política para a Amazônia não é o convencimento de elementos da extrema direita e sim a mobilização dos trabalhadores para derrubar Jair Bolsonaro e toda a corja golpista do governo e da direita ‘civilizada’.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas