HAMBURGUER_1
SHARE

Direita nos atos, uma manobra para eleger João Doria

Anterior
Próximo

Demagogia "democrática"

E os direitos humanos? Imperialismo defende genocídio palestino

O imperialismo supostamente "democrático" defende Israel e acusa os palestinos de "terrorismo", mostrando que de democráticos não têm nada

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Palestinos protestam em Belém contra o despejo de Sheikh Jarrah – Imagem: AFP

Nesta semana, os conflitos mais recentes em Israel estão completando um mês, em meio a muita discussão na imprensa. A situação deu lugar a crises gigantescas. Durante as últimas semanas, conforme se pode conferir até em vídeos nas redes, foram lançados diversos mísseis contra a população palestina. Essa população está sendo atacada inclusive durante a sua principal festa religiosa, o Ramadã, em uma ação verdadeiramente fascista.

Os conflitos começaram quando o governo de Netanyahu ameaçou despejar famílias palestinas do bairro Sheikh Jarrah, bairro com grande presença de palestinos em Jerusalém Oriental, para poder instalar colonos judeus.

Um fator de crise é o fato de que estão havendo enfrentamentos no território judeu, ao contrário do que ocorre normalmente, em que Israel invade o território dos palestinos e ataca casa de civis. Os conflitos estão sendo observados de perto e são mais um indicativo do grande clima de tensão presente em diversos países. 

Os criminosos ataques aéreos de Israel em Gaza já são responsáveis pela morte de 188 pessoas, e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou que eles irão continuar com “força total”, até que se possa retomar a “tranquilidade”, o que, segundo ele, ainda irá “levar tempo. A justificativa de Israel para esse massacre da população vizinha é que muitos dos mortos nos ataques seriam “militantes do Hamas”. Seria importante, então, explicar por que razão Israel está atacando, inclusive, prédios em que funcionam agências de notícias, como Associated Press e Al-Jazeera.

Imperialismo europeu apoia genocídio

Na Europa, continente em que há uma presença grande da população árabe, há diversas manifestações anti-Israel, que expressam o repúdio do povo contra as ações assassinas do governo fascista que controla o estado de Israel.  Com relação a isso, é importante destacar a posição dos países imperialistas desta região diante do massacre promovido pelo estado israelense. Sob a absurda alegação de que os protestos contra a violência fascista do regime governado por Netanyahu seriam “antissemitas”, representantes diplomáticos da União Europeia, da Alemanha e da França, emitiram declarações acobertando o genocídio perpetrado por Israel e condenando manifestantes.

O vice-presidente da Comissão Europeia responsável pela promoção do estilo de vida europeu, Margaritis Schinas, chamou a atenção para que os estados membros da União Europeia “ficassem vigilantes” contra as manifestações de protesto ao genocídio do povo palestino.

Ele afirmou que se encontra “profundamente preocupado com os recentes ataques contra comunidades e locais judaicos na UE. São uma clara manifestação de antissemitismo que deve ser fortemente condenada”. Ele também disse “Apoiamos nossas comunidades judaicas e pedimos aos nossos Estados-membros que se mantenham em alerta por sua segurança”.

O cinismo da afirmação impressiona bastante. O Estado israelense, armado pelo imperialismo com mísseis, aviões, tanques de guerra e armamento de alta capacidade e última geração, estaria em risco frente ao povo palestino, que não possui nem o direito a ter um território próprio e apenas reage contra a violenta opressão imperialista da qual é vítima há décadas.

O porta-voz da chanceler alemã, Angela Merkel, também alertou que não irá tolerar manifestações antissemitas. E ressaltou que “Quem ataca uma sinagoga, quem danifica símbolos judeus mostra que não se trata da crítica a um Estado, à política de um governo, mas de uma agressão e de [um ato de] ódio contra uma religião e [contra] aqueles que pertencem a ela”, além de classificar a tentativa dos palestinos de se defenderem como “atos terroristas” e afirmar que o governo de Israel tem direito à “legítima defesa” contra eles.

Quem viu o desenvolvimento da política imperialista no último século, conhece bem o discurso da luta contra o “terrorismo”. É praticamente uma senha da direita para indicar que são ataques contra os quais é permitido reagir de qualquer forma que seja, inclusive com tortura, prisões ilegais, assassinatos e massacres de civis. Essa é a política defendida pelo governo alemão para os palestinos, que se vêem mais uma vez atacados pelo estado fascista israelense.

Outro país imperialista que procurou mostrar apoio a Israel foi a França, que proibiu que manifestantes palestinos saíssem às ruas durante a comemoração da Nakba, o êxodo de centenas de milhares de palestinos após a criação do Estado de Israel em 1948. O chefe de polícia de Paris, Didier Lallement, afirma temer que a celebração acabe em “ataques às sinagogas e aos interesses israeleneses”.

A ação desses países imperialistas europeus diante da violência do Estado israelense é mais uma prova de que esses estados não têm nada de democráticos, apesar de toda demagogia que é feita. São países que defendem o massacre da população oprimida, e isso deve ser combatido veementemente por todos que se dizem da esquerda e que defendam de fato os direitos democráticos da população do mundo todo.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.