Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Desde o último dia 16, as Forças Armadas estão autorizadas, por meio de um decreto presidencial, a controlar diretamente a Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, que é o segundo Estado mais importante do Brasil. Ao controlar a Segurança Pública, que engloba a Polícia Civil, a Polícia Militar e os bombeiros, as Forças Armadas detêm, desde então, o controle de todo o aparelho de repressão do Rio de Janeiro – e, consequentemente, podem determinar tudo o que deve ou não acontecer no Estado.

O decreto do dia 16 estabelece, claramente, uma intervenção das Forças Armadas no Governo do Rio de Janeiro – isto é, uma intervenção militar. No entanto, como o termo “intervenção militar” é altamente impopular, a imprensa burguesa tem inventado mil artimanhas para esconder o fato de que a truculência e o autoritarismo da ditadura militar estariam reaparecendo no cenário brasileiro. A expressão favorita da imprensa burguesa tem sido “intervenção federal”.

De fato, a intervenção foi autorizada a partir de um decreto instituído pela Presidência da República – o que, nesse sentido, caracterizaria uma intervenção de caráter federal. No entanto, isso é uma mera formalidade, pois a intervenção não foi uma proposta que surgiu livremente de Temer, mas sim uma imposição do bloco golpista que controla a Presidência desde o golpe de 2016 e que, preocupado com a reação à prisão de Lula, prepara um golpe militar em todo o país. Por isso, é necessário ser dito com toda a clareza: o que há no Rio de Janeiro é uma intervenção militar.

A intervenção militar em escala nacional já vem sendo calculada desde o momento em que o imperialismo começou a fomentar o golpe de Estado contra Dilma Rousseff. Afinal de contas, o programa de destruição nacional que o imperialismo quer impor aos brasileiros tornará inevitável uma reação gigantesca da população. Por isso, é necessário que todos os setores atingidos pelo golpe de 2016 se organizem em comitês de luta contra o golpe para combater a perseguição ao ex-presidente Lula, a intervenção militar no Rio de Janeiro e o iminente golpe militar nacional.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas