É assim que se faz! Tribo indígena organiza autodefesa contra jagunços fascistas
guardfloresta
É assim que se faz! Tribo indígena organiza autodefesa contra jagunços fascistas
guardfloresta

Com a presidência do país nas mãos de Bolsonaro, inimigo declarado dos povos indígenas, os latifundiários invasores de reservas, grileiros e responsáveis pelo desmatamento, sentem-se confortáveis para aumentar os ataques no campo.

A fiscalização é falha propositalmente por meio do sucateamento dos órgãos responsáveis, tanto pelo falta de recursos como pelo pequeno efetivo de profissionais para atuar nas apreensões. Os madeireiros também agem subornando fiscais e os próprios indígenas para ter acesso à terra demarcada.

A devastação da área ameaça a própria existência dos moradores que dependem dos recursos naturais da área para sua sobrevivência. Diante desse cenário, os indígenas Guajajara do Maranhão estão organizando a própria defesa de sua reserva, terra indígena Araribóia, através de grupos de patrulhamento. Os Guardiões da floresta, como são chamados, fazem rondas nas terras a procura de acampamentos e oficinas ilegais de extração de madeira, e vão armados para garantir a segurança de seus integrantes contra os jagunços dos capitalistas.

Para agradar a base que ajudou na farsa da eleição presidencial, Bolsonaro soltou recentemente mais um decreto flexibilizando o porte de arma para detentores de propriedades rurais, porém dessa vez o texto veio com uma brecha que pode beneficiar os movimentos de luta pela terra. Assustada, a burguesia tratou logo de, por meio de sua imprensa, fazer uma campanha para alertar a extrema-direita de que o decreto beneficiaria o MST.

Os latifundiários tem carta branca para perseguir e assassinar os integrantes de movimentos sem terra, assim como indígenas, que se colocam como obstáculos para suas atividades ilegais. Qualquer mínima possibilidade de retaliação por parte desses setores oprimidos causa verdadeira preocupação nos ruralistas.

O exemplo dos indígenas Guajajara deve ser seguido por toda a população ameaçada pelos fascistas, o governo golpista é responsável pelo aumento da violência no campo desde o começo da gestão e única alternativa dos setores ameaçados é organizar a autodefesa. Os comitês de autodefesa impulsionados pelo PCO devem se multiplicar pelo país para barrar a ofensiva da extrema-direita à medida que a repressão por parte do governo aumenta devido a crise consequente do golpe.