Terra e moradia para o povo.
Novas ocupações pelos sem teto em Itapetininga (SP) mostram que esta é uma das saídas contra o ataque constante do governo Bolsonaro à população.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Protesto Sem Terra
Ocupação de sem teto em Bauru, 2016 | Foto: Alex Mita

Enquanto Bolsonaro e os governos estaduais continuam de braços cruzados, sem nenhuma ação concreta para combater a crise do coronavírus, muitas famílias têm enfrentado, completamente sozinhas, o fantasma do desemprego e completa falta de dinheiro. Com isso muitas delas estão sendo expulsas de suas moradias pela falta de pagamento do aluguel e demais despesas de suas casas.

Neste cenário a FNL, Frente Nacional de Luta – Campo e Cidade, tez uma importante declaração à imprensa. A organização anunciou mais uma ocupação no município de Itapetininga, na região metropolitana de Sorocaba (SP). A regional já conta agora com quatro ocupações. São 1000 famílias no município de Votorantim, 100 famílias em Salto Pirapora, mais de 200 famílias em Araçoiaba da Serra e mais de 50 famílias em Itapetininga.

A FNL já tinha, anteriormente, realizado ocupações de terras nos municípios de Guararema (na região oeste de São Paulo) e Castilho (nordeste de São Paulo), com centenas de famílias em acampamentos. A FNL está intervindo também em outros estados como Alagoas, Amapá, Pará e Rio Grande do Norte, além de ter feito manifestações em Brasília, nos acampamentos Chico Mendes e Rosa Luxemburgo no município de Samambaia, onde vivem 500 famílias, num total de 2500 pessoas em uma área de mil hectares.

Em junho deste ano o presidente ilegítimo Bolsonaro vetou um projeto que proibia, durante a pandemia, o despejo de inquilinos inadimplentes, mostrando, mais uma vez, que a população carente está sendo levada todos os dias para o matadouro. É evidente que o governo Bolsonaro foi colocado lá para defender os interesses do agronegócio e das grandes empresas. Nesse sentido temos que lembrar que no Brasil nunca foi realizada a reforma agrária. Vemos a cada dia uma concentração cada vez maior das terras nas mãos de apenas um punhado de capitalistas. A necessidade da reforma agrária é um imperativo, ainda mais quando se tem em mente que este problema é um dos principais motivos do subdesenvolvimento de nosso país.

Segundo o último Censo Agropecuário do país, realizado em 2017, constatamos que os anos passam e os índices de concentração de terras são cada vez maiores. Cerca de 1% dos proprietários de terra controlam quase 50% da área rural do Brasil. Por outro lado, as pequenas propriedades, os estabelecimentos com áreas menores a 10 hectares, representam metade das propriedades rurais, mas são apenas 2% da área total. Este retrato da realidade mostra o tamanho da expropriação realizada pelo capitalismo ao longo dos séculos, com consequências políticas, econômicas, ambientais, sociais para a construção do país e seu desenvolvimento, um retrato acabado de uma histórica injustiça social.

Constatou-se também que o número de ocupações diminuiu com o começo do governo Bolsonaro. Em 2018 eram 143 ocupações em curso. No ano seguinte diminuiu para 43. Esta foi uma das consequências da perseguição do governo federal e da violência aplicada pelos latifundiários interessados em anexar mais e mais terra aos seus patrimônios. As ocupações são importantes porque são uma das formas mais eficientes de pressionar o poder público a desapropriar terras improdutivas, abandonadas ou de posse discutível.

A FNL, acolhendo estas famílias sem teto e organizando as ocupações, têm cumprido um importante papel na luta contra a direita e contra estes ataques constantes à população. Diante da realidade dos 100.000 mortos pelo coronavírus e pela perspectiva de muito mais vítimas pela frente se coloca a necessidade premente de uma luta firme contra as polícias genocidas do governo federal. A luta pela terra é uma das mais importantes que o povo deve enfrentar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas