Moradia e terra
As famílias romperam as cercas de um latifúndio de eucalipto da maior empresa de celulose do mundo, a SUZANO.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
48936690908_ce87e4168e_b (1)
Foto: MST/ES |

Na madrugada do sábado (19), cerca de 50 famílias Sem Terra ocuparam mais um latifúndio no Espírito Santo, segundo divulgada o sítio do MST.

Cerca de 50 famílias Sem Terra decidiram resistir ao desemprego, a fome e a concentração de terras, ocupando mais um latifúndio no Espírito Santo.

As famílias romperam as cercas de um latifúndio de eucalipto da maior empresa de celulose do mundo, a SUZANO. Segundo o MST, “só nessa região a empresa amplia suas áreas em mais de 5 mil hectares.”

A empresa, após a fusão com a Fibria , é responsável pela expulsão de milhares de famílias indígenas, camponeses e quilombolas de suas terras. Além disso, utilizam um método que degrada totalmente as regiões que eles exploram.

“Queremos terra para produzir alimentos saudáveis para a sociedade. Esse é o nosso projeto”, afirmou Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Espírito Santo.

Nesta região, a luta pela terra se dá principalmente contra os latifundiários de eucalipto e da cana. Uma luta que acontece há mais de 30 anos.

Por isso, a ocupação do latifúndio da SUZANO é o caminho, a ser seguido pelos Sem Terra de todo o país, para derrotar a direita e garantir o acesso a terra.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas