Duvivier, o anti-comunista de esquerda

Lenin

Volta e meia o humorista Gregório Duvivier expõe de maneira muito sincera a agenda de uma barulhenta ala da esquerda nacional. O rapaz faz parte da turma de atores globais e ativistas neo-hippies que frequentam o apartamento da esposa de Caetano Veloso, Paula Lavigne, no Leblon. Entre um beck e um incenso, os intelectuais debatem a construção de uma sonhada justiça social, que seria alcançada através da atividade parlamentar, pelo caminho institucional daquilo que eles chamam de “democracia”. Uma jornada cívica, florida e pacífica, rumo ao amor e à igualdade.

As declarações do menino Gregório não são novidade para quem conhece essa esquerda. Elas vão desde o eterno pedido de autocrítica ao PT, até uma versão morna e menos raivosa do discurso contra a corrupção. Uma espécie de reprodução do discurso moralista da direita, só que embrulhado numa bonita embalagem acadêmica. Mas, ao que tudo indica, as sequelas deixadas pelas eleições de 2018 acabaram com a maluquice moderada, substituindo-a por delírios muito mais profundos. Em seu último programa da HBO, mais um desses quadros brasileiros que se inspira no gasto modelo norte-americano de “talk-show”, o humorista fez comparações de Jair Bolsonaro com Vladimir Lênin. É isso mesmo, você não bebeu chá de cogumelo na casa coletiva não!

Depois de exibir um vídeo do ator pornô Alexandre Frota discursando sobre os perigos da ameaça comunista, o apresentador resolveu desmoralizar a extrema-direita nacional comparando eles aos revolucionários russos. Aparentemente a intenção do rapaz era apresentar provas de que existem similaridades entre a política de Bolsonaro e a dos soviéticos, para brincar com o anti-comunismo dos seguidores do capitão reformado. Tudo isso com aquele sorriso amarelo de moleque de apartamento quando ganha roupa do parente pobre da família. O resultado é de fato bastante constrangedor, mas de uma outra forma.

De princípio achei que se tratava de uma ironia mal construída. Mas o que começou como uma brincadeira, rapidamente ganhou ares de denúncia. Surpreendentemente, Duvivier exibe na tela do vídeo uma imagem do livro “Esquerdismo, a doença infantil do Comunismo”. O tom irônico de seu discurso é suprimido, Bolsonaro é colocado em segundo plano, e o rapaz parte para um dedicado ataque contra seu real inimigo: Vladimir Lênin.

Ele começa dizendo que “Lênin odiava a esquerda porque eles se opunham a idéia de ditadura do partido”. Segundo Gregório, “os esquerdistas diziam que o poder deveria ser do povo, e não do partido”. Na sequência diz que “muita gente acha que a União Soviética era socialista, mas só porque os soviéticos se diziam socialistas” e que “Bolsonaro merecia carteirinha do Partido Comunista soviético”. Finaliza afirmando que “bolsonaristas amam uma farda, assim como Lênin”, e que “Lênin criou o Exército Vermelho, e se voltou contra os ideais dos sociais-democratas, que defendiam uma desmilitarização da sociedade”. Como “toque final”, ataca Nicolás Maduro e a Coréia do Norte.

Não vou ficar aqui fazendo propaganda, as incontáveis conquistas dos bolcheviques estão gravadas a ferro e fogo na história, basta dar um Google. Se hoje uma parcela da população mundial pode desfrutar do mínimo estado de bem estar social, com direito a salário mínimo, jornada semanal de trabalho de 40 horas, horário de almoço, férias remuneradas, aposentadoria, saúde, transporte e educação públicas, quem estudou um pouquinho da história da primeira metade de século XX, sabe que essas conquistas são o desdobramento de uma encarniçada luta da classe trabalhadora contra a burguesia internacional, tendo os russos como o estopim de uma série de outros movimentos populares. Encabeçando esse movimento mundial, estava o cabeçudo Vladimir Lênin. O jornalista John Reed diz em seu livro – mais um que Gregório certamente não leu – que a cabeça do dirigente bolchevique era realmente muito grande.

Além do desconhecimento histórico, fica patente na exposição de Duvivier seu asco ao militarismo e seu ódio de classe aos métodos revolucionários da classe operária para chegar ao poder. Talvez ele não saiba, mas sem o Exército Vermelho, a revolução russa e todas as suas conquistas sociais teriam sido esmagadas em questão de meses. Os “sociais-democratas” citados por Duvivier eram de fato contra um exército forte e unificado, pois sabiam que os bolcheviques já tinham apoio de quase toda a base de soldados e marinheiros para a insurgência definitiva contra Kerenski em outubro. A verdade é que eles se cagavam de medo do alcance que a revolução poderia ter. Nos anos que se seguiram depois de 1917, mais de uma dezena de tropas imperialistas tentaram interromper o desenvolvimento da revolução. Todos foram enviados de volta para seus países na base do pipoco, enquanto Lênin acabava com oligopólios e latifúndios na base do decreto, e dava o direito ao aborto à mulher soviética. Aborto, isso mesmo. Em 1917. Numa canetada, Lênin garantiu esse direito com o qual a esquerda pequeno-burguesa tanto sonha. Mas o militarismo bolchevique incomoda tanto, que o humorista deve preferir um ambiente mais pacífico, como a Costa Rica, o Panamá, ou o Haiti, países atrasados que se assemelham pela fome de seu povo, pela subserviência de seus políticos aos norte-americanos, e por não possuírem um exército regular.

O fato é que uma política de guerra aberta contra os poderosos não é tolerada pela esquerda quebradora de tabu. Duvivier e seus amiguinhos teriam horror dos barbudos cubanos na década de 50 se lá estivessem, tal como dos sandinistas, do Sendero Luminoso, e até dos movimentos armados que se levantaram contra as ditaduras do Cone Sul. Nem parece que boa parte desses elementos esquerdistas pertence a um partido cuja deputada foi executada pela polícia do Estado burguês que eles defendem como via para a paz social. Nesse mundo asséptico e distante da realidade da esquerda pequeno-burguesa, as conquistas da classe trabalhadora se darão através de discursos e acordos, sem necessidade de insurgências armadas, de forma pacífica e ordeira, sem “radicalismo”, “hackeando o sistema”, e qualquer grupo político que se oponha à ordem das coisas de maneira decisiva, em algum momento terá toda essa ala da esquerda como inimigos centrais. 

No fim das contas, o humor do programa de Duvivier ficou à cargo do título do livro. O infeliz sofre justamente da doença diagnosticada por Lênin. Mal posso esperar o próximo vídeo, comparando Olavo de Carvalho com Karl Marx.