Contra o imperialismo
Em reunião com ex-presidentes latino-americanos derrubados pelo golpe, Lula apresentou programa mais à esquerda, mas que não é consequentemente antiimperialista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
lideres-latino-americanos
Governos nacionalistas burgueses foram atacados pelo imperialismo na última década | Reprodução

No último dia 1º, o ex-presidente Lula participou do 5º encontro do Grupo de Puebla, um fórum político e acadêmico fundado em 2019 por ex-presidentes, parlamentares e outros políticos ditos “progressistas” de 15 países da América Latina e da Península Ibérica. Além dele, outros ex-presidentes estiveram presentes à plenária virtual, dentre eles Rafael Correa do Equador, Fernando Lugo do Paraguai, Leonel Fernández da República Dominicana e o ex-presidente do governo espanhol, Fernando José Luis Rodríguez Zapatero (PSOE). O presidente argentino Alberto Fernández (Partido Justicialista – peronista) foi o anfitrião do evento e membros fundadores do Grupo, do México, Chile, Bolívia e Peru, entre outros, também participarem.

Lula criticou o texto-base do “Manifesto Progressista”, proposto pelo ex-presidente (1994–1998) da Colômbia, Ernesto Samper, do Partido Liberal Colombiano. Destacou que o documento não incluía nenhuma menção à situação de Cuba e da Venezuela, ambos países que enfrentam o boicote do imperialismo norte-americano e propôs uma linha de ação para os líderes “progressistas” do Grupo de Puebla: enfrentamento com o imperialismo norte-americano, desenvolvimento regional e uma mobilização política que ultrapasse os limites de uma reunião fechada.

Sem chamar o imperialismo por seu nome, Lula afirmou que “nós [os países da América Latina] não precisamos ter alinhamento direto [com os Estados Unidos]. Nós podemos ter uma política de independência e podemos ter um grupo econômico forte se os nossos governantes tiverem noção de que a gente pode ser forte se a gente estiver unido”.

A “experiência de boas relações com os norte-americanos durante os oito anos de governo” foi, segundo ele, determinante para as conclusões que apresenta agora. “Me convenci que os americanos não almejam, não desejam e não vão permitir nunca que a América Latina vire protagonista internacional”, afirmou.

A esse respeito, Lula lamentou que a região tenha se desviado do “caminho progressista” do início dos anos 2000, lembrando que a esquerda governava vários países à época. “Era um momento em que os países caminhavam para um progressismo que parecia que ia transformar a América Latina numa parte do mundo mais fortalecida. Quase conseguimos isso”, disse. “Não conheço outro momento em que a América Latina esteve tão coesa e avançando nas políticas sociais”, disse. A isso, o ex-presidente associou a série de golpes de Estado que mudaram o panorama político na América Latina, a começar pelo golpe contra Dilma Rousseff, mencionando o que aconteceu no Equador, na Bolívia, na Argentina, Uruguai etc.

O “progressismo” ao qual se referiu o ex-presidente durante sua intervenção é, na realidade, um apelido para o nacionalismo burguês dos países atrasados. Trata-se, simplificadamente, da defesa do capitalismo “mais humano”, mais “justo” e “solidário”, com políticas de distribuição de renda e assistência aos necessitados.

Esse nacionalismo é a defesa dos setores da burguesia dos países atrasados mais ligados aos negócios locais, mais débeis em relação aos grandes monopólios imperialistas que ditam os rumos da economia desses países e que se confunde com a defesa dos interesses da classe operária, duplamente oprimida por essa burguesia nacional e pelo imperialismo. Diante da opressão do subcontinente pelo imperialismo, a burguesia busca um caminho para seu desenvolvimento como classe dominante. São uma classe dominante e, ao mesmo tempo, dominada. Para enfrentar o imperialismo, no entanto, a burguesia latino-americana precisa, pelo menos, diminuir o atrito entre os seus interesses e os da classe operária e, no melhor dos casos, conseguir o apoio da classe explorada e dos demais oprimidos.

Eis que Lula está dividido entre duas políticas. Ele se coloca à esquerda dos demais líderes (e ex-líderes) políticos da esquerda burguesa e pequeno-burguesa da América Latina. Para o Grupo de Puebla avançar, é preciso, segundo ele, “fazer com que nossas decisões ganhem corpo junto ao movimento sindical, popular etc.”

Mas, para levar adiante essa mobilização política e o enfrentamento com os EUA, Lula estava falando para o auditório errado. Os ex-presidentes derrubados por golpes de Estado não se apoiam em nenhum movimento de massas, não têm raízes na classe operária. A reunião permite ao observador atento notar o porquê desta distinção e a grande contradição que cerca o ex-presidente brasileiro. Podemos expressá-la de duas maneiras:

1) Por ter uma ligação histórica com a classe operária industrial brasileira e se apoiar no conjunto dos explorados e oprimidos de nosso país, Lula defende uma política de enfrentamento com o imperialismo, de defesa dos interesses nacionais e de independência política e econômica para o Brasil e a América Latina cujos limites foram alcançados nas últimas duas décadas quando o imperialismo desencadeou a onda de golpes de Estado em escala continental.

2) Por limitar a sua política à defesa dos interesses nacionais nos marcos do regime capitalista, sem levar o enfrentamento com o imperialismo às últimas consequências – isto é, sem romper com os representantes do imperialismo, a burguesia “nacional” de nosso País – Lula não consegue defender de modo consequente os interesses históricos da classe operária, a sua libertação não apenas do jugo imperialista, não apenas da exploração e opressão da burguesia “nacional”, mas da dominação e exploração do capital como um todo.

De um lado está a política da burguesia dos países atrasados, que quer explorar a classe operária em paz, livre da dominação estrangeira. De outro, a classe operária, que precisa se livrar da opressão da burguesia nacional e internacional. No meio delas, está Lula, com um pé em cada canoa.
É preciso unificar os trabalhadores e explorados de todo o continente na luta contra o imperialismo norte-americano (em primeiro lugar) e mundial, pela unidade socialista da América Latina, isto é, por governos dos trabalhadores da cidade e do campo em todos os países, sem patrões, sem banqueiros, apoiados nas organizações e na mobilização dos explorados.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Send this to a friend