Antônio Carlos Silva

Natália Pimenta

Sobre a Natália

Membro do Comitê Central do Partido da Causa Operária (PCO), secretária de Organização e de Mulheres do Partido.

Coordenadora do Coletivo de Mulheres Rosa Luxemburgo e ex-integrante da Aliança da Juventude Revolucionária, pela qual militou no movimento estudantil e organizou greves e ocupações.

Estudou Letras na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP).

Fundadora da Secretaria Nacional de Agitação e Propaganda do Partido.

Palestrante e debatedora, é colunista do Jornal Causa Operária.

Contra o imperialismo

Duas políticas e meia para a independência da América Latina

Em reunião com ex-presidentes latino-americanos derrubados pelo golpe, Lula apresentou programa mais à esquerda, mas que não é consequentemente antiimperialista

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

No último dia 1º, o ex-presidente Lula participou do 5º encontro do Grupo de Puebla, um fórum político e acadêmico fundado em 2019 por ex-presidentes, parlamentares e outros políticos ditos “progressistas” de 15 países da América Latina e da Península Ibérica. Além dele, outros ex-presidentes estiveram presentes à plenária virtual, dentre eles Rafael Correa do Equador, Fernando Lugo do Paraguai, Leonel Fernández da República Dominicana e o ex-presidente do governo espanhol, Fernando José Luis Rodríguez Zapatero (PSOE). O presidente argentino Alberto Fernández (Partido Justicialista – peronista) foi o anfitrião do evento e membros fundadores do Grupo, do México, Chile, Bolívia e Peru, entre outros, também participarem.

Lula criticou o texto-base do “Manifesto Progressista”, proposto pelo ex-presidente (1994–1998) da Colômbia, Ernesto Samper, do Partido Liberal Colombiano. Destacou que o documento não incluía nenhuma menção à situação de Cuba e da Venezuela, ambos países que enfrentam o boicote do imperialismo norte-americano e propôs uma linha de ação para os líderes “progressistas” do Grupo de Puebla: enfrentamento com o imperialismo norte-americano, desenvolvimento regional e uma mobilização política que ultrapasse os limites de uma reunião fechada.

Sem chamar o imperialismo por seu nome, Lula afirmou que “nós [os países da América Latina] não precisamos ter alinhamento direto [com os Estados Unidos]. Nós podemos ter uma política de independência e podemos ter um grupo econômico forte se os nossos governantes tiverem noção de que a gente pode ser forte se a gente estiver unido”.

A “experiência de boas relações com os norte-americanos durante os oito anos de governo” foi, segundo ele, determinante para as conclusões que apresenta agora. “Me convenci que os americanos não almejam, não desejam e não vão permitir nunca que a América Latina vire protagonista internacional”, afirmou.

A esse respeito, Lula lamentou que a região tenha se desviado do “caminho progressista” do início dos anos 2000, lembrando que a esquerda governava vários países à época. “Era um momento em que os países caminhavam para um progressismo que parecia que ia transformar a América Latina numa parte do mundo mais fortalecida. Quase conseguimos isso”, disse. “Não conheço outro momento em que a América Latina esteve tão coesa e avançando nas políticas sociais”, disse. A isso, o ex-presidente associou a série de golpes de Estado que mudaram o panorama político na América Latina, a começar pelo golpe contra Dilma Rousseff, mencionando o que aconteceu no Equador, na Bolívia, na Argentina, Uruguai etc.

O “progressismo” ao qual se referiu o ex-presidente durante sua intervenção é, na realidade, um apelido para o nacionalismo burguês dos países atrasados. Trata-se, simplificadamente, da defesa do capitalismo “mais humano”, mais “justo” e “solidário”, com políticas de distribuição de renda e assistência aos necessitados.

Esse nacionalismo é a defesa dos setores da burguesia dos países atrasados mais ligados aos negócios locais, mais débeis em relação aos grandes monopólios imperialistas que ditam os rumos da economia desses países e que se confunde com a defesa dos interesses da classe operária, duplamente oprimida por essa burguesia nacional e pelo imperialismo. Diante da opressão do subcontinente pelo imperialismo, a burguesia busca um caminho para seu desenvolvimento como classe dominante. São uma classe dominante e, ao mesmo tempo, dominada. Para enfrentar o imperialismo, no entanto, a burguesia latino-americana precisa, pelo menos, diminuir o atrito entre os seus interesses e os da classe operária e, no melhor dos casos, conseguir o apoio da classe explorada e dos demais oprimidos.

Eis que Lula está dividido entre duas políticas. Ele se coloca à esquerda dos demais líderes (e ex-líderes) políticos da esquerda burguesa e pequeno-burguesa da América Latina. Para o Grupo de Puebla avançar, é preciso, segundo ele, “fazer com que nossas decisões ganhem corpo junto ao movimento sindical, popular etc.”

Mas, para levar adiante essa mobilização política e o enfrentamento com os EUA, Lula estava falando para o auditório errado. Os ex-presidentes derrubados por golpes de Estado não se apoiam em nenhum movimento de massas, não têm raízes na classe operária. A reunião permite ao observador atento notar o porquê desta distinção e a grande contradição que cerca o ex-presidente brasileiro. Podemos expressá-la de duas maneiras:

1) Por ter uma ligação histórica com a classe operária industrial brasileira e se apoiar no conjunto dos explorados e oprimidos de nosso país, Lula defende uma política de enfrentamento com o imperialismo, de defesa dos interesses nacionais e de independência política e econômica para o Brasil e a América Latina cujos limites foram alcançados nas últimas duas décadas quando o imperialismo desencadeou a onda de golpes de Estado em escala continental.

2) Por limitar a sua política à defesa dos interesses nacionais nos marcos do regime capitalista, sem levar o enfrentamento com o imperialismo às últimas consequências – isto é, sem romper com os representantes do imperialismo, a burguesia “nacional” de nosso País – Lula não consegue defender de modo consequente os interesses históricos da classe operária, a sua libertação não apenas do jugo imperialista, não apenas da exploração e opressão da burguesia “nacional”, mas da dominação e exploração do capital como um todo.

De um lado está a política da burguesia dos países atrasados, que quer explorar a classe operária em paz, livre da dominação estrangeira. De outro, a classe operária, que precisa se livrar da opressão da burguesia nacional e internacional. No meio delas, está Lula, com um pé em cada canoa.
É preciso unificar os trabalhadores e explorados de todo o continente na luta contra o imperialismo norte-americano (em primeiro lugar) e mundial, pela unidade socialista da América Latina, isto é, por governos dos trabalhadores da cidade e do campo em todos os países, sem patrões, sem banqueiros, apoiados nas organizações e na mobilização dos explorados.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

NA COTV

Marighella e Lamarca e a resistência ao regime militar - Parte 2 - Universidade Marxista nº 421

72 Visualizações 95 minutos Atrás

Watch Now

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.