É necessário mobilizar
Dória anuncia a volta às aulas independente da situação da pandemia, o que levará dezenas de milhares de pessoas à morte
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Foto-686-JOÃO-DÓRIA-scaled
Dória, o genocida científico | Foto: Reprodução/Paulo Guereta

João Dória, governador “científico” do Estado de São Paulo, anunciou nesta quinta-feira (17), uma medida que poderá transformá-lo no  promotor de um genocídio sem precedentes na história brasileira. O anúncio do governador tucano declara que as escolas públicas e particulares poderão continuar abertas independente se o Estado estiver na pior fase da pandemia.

O anuncio de um massacre

Anteriormente, de acordo com os próprios decretos emitidos pelo governo estadual, as escolas poderiam dar aulas presenciais apenas na fase amarela, contudo, com a nova autorização os locais de ensino poderão dar aulas regulares já no retorno das atividades.

O plano de Dória é considerar a escola uma espécie de “serviço essencial”, ou seja, apenas aqueles que são permitidos de funcionar independente da situação, como no caso dos supermercados e farmácias. Com ação tornando-se prática, isso significaria que milhões de jovens irão ser obrigados a voltar a ter aulas presenciais, assim como já faz grande parte das escolas privadas no Estado, desde o mês de setembro.

A prefeitura de São Paulo levanta está política em ritmo semelhante, Bruno Covas (PSDB), deseja uma reabertura das escolas em fevereiro. E em outros estados, como Rio Grande do Sul e Espírito Santo, os genocidas locais decidiram por fazer o mesmo, reabrindo independente do recrudescimento das regras de isolamento.

Apenas os Estado de São Paulo tem hoje 1.361.731 casos e 44.681 mortes registradas. Já o Brasil, graças aos dados acumulados de São Paulo, que não havia divulgado nos dias anteriores, bateu o recorde de número de casos computados em um dia, com quase 70 mil registrados oficialmente. Enquanto isso, o número de mortes ultrapassa novamente os 1 mil por dia, com dados piores que os da chamada “primeira onda” da pandemia, ocorrida nos meses de julho à agosto.

A morte, pelo bem das criancinhas

Em contrapartida, Dória não abandona seu completo cinismo. Mesmo sabendo que sua decisão irá ser responsável por matar milhares de jovens, país, familiares e funcionários em toda São Paulo, ele declara que a ação “tem também por objetivo o desenvolvimento cognitivo e socioemocional de milhões de crianças e adolescentes no Estado”. Com esta situação, o único desenvolvimento que Dória poderá dar a estas pessoas será no mínimo traumático.

O dado “científico” que comprovaria a viabilidade da política tem como base que, de acordo com o próprio governo do Estado, o fato de nenhum caso de coronavírus foi transmitido nas 1.800 escolas estaduais que estão tendo algum tipo de atividade presencial.

Vale lembrar, que São Paulo é o mesmo Estado que deixou na última semana de notificar os novos casos de covid por mais de 48 horas, sequer podemos imaginar o que fazem com os supostos dados coletados nas escolas.

Toda esta política é apoiada pela imprensa burguesa, que coloca em destaque o acompanhamento da mesma política que é seguida em países da Europa, e obviamente, no próprio Estados Unidos.

Até o momento, França, Reino Unido e Portugal, por exemplo, decidiram abrir as escolas, enquanto fechavam bares e restaurantes, e aumentam a repressão contra a população.

Demagogia, cinismo e a importância da mobilização

Em primeiro lugar, a situação brasileira, isso precisa ficar bem claro, é infinitamente pior do que na Europa. Se estes países mencionados já obtiveram enormes dificuldades em reabrir, inclusive sendo forçados a fechar as escolas mais de uma vez, a situação no Brasil será ainda pior.

Com escolas com pelo menos 40 alunos por sala, muitas sequer tendo um real sistema de ventilação, banheiros destruídos e difícil acesso à água potável, o vírus nas escolas brasileiras tende a se proliferar em uma velocidade gigantesca. Contaminando os jovens, suas famílias e profissionais das instituições serão rapidamente contaminados, e uma onda brutal de mortes ocorrerá sob o aval da burguesia brasileira.

Toda esta política tem como único interesse reviver a economia falida dos capitalistas, que em meio a crise na pandemia, viu seus lucros retrocederem ainda mais. Não há interesse algum em defender o povo, muito pelo contrário, e as decisões mostram exatamente isso.

A esquerda e o movimento estudantil precisam dar uma resposta a altura, que só poderá ocorrer com uma verdadeira mobilização, paralisando escolas e universidades, e impedindo na força que a volta às aulas aconteça, seja em São Paulo, ou no restante do Brasil. Apenas com a mobilização, a vida de milhões de pessoas será defendida, contra o interesse dos grandes capitalistas.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas