Para os amigos do rei
Doria e Guedes competem para ver quem ganha o Oscar de maior vendilhão do patrimônio público
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
São Paulo - Sessão solene de posse dos vereadores e do prefeito João Doria, na Câmara Municipal (Rovena Rosa/Agência Brasil)
Posse de João Doria (2017). Foto: Rovena Rosa - Agência Brasil |

Da redação – João Doria (PSDB), governador de São Paulo, planeja entregar aos seus correligionários da burguesia mais dois aparelhos do patrimônio público ligados à mobilidade urbana. O sistema de balsas que ligam a Ilha do Bororé ao Jardim Shangrilla, no bairro do Grajaú (extremo sul da capital), e outro, que faz a travessia do Riacho Grande ao Bairro Tatetos, em São Bernardo do Campo (região metropolitana), estão na mira. Atualmente, ambos  são gratuitos e funcionam 24 horas por dia.

Estima-se que o sistema transporte 2,2 milhões de pedestres e 1,8 milhões de veículos anualmente servindo muito à economia local e à promoção do turismo. Com a privatização, é bem provável que haja cobrança e que a qualidade do serviço piore, como é de praxe em situações parecidas.

A privatização do aparato estadual ligado aos portos, sobretudo a empresa de economia mista Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), é porcamente legitimada por Doria com dois chavões dos neoliberais: a redução de gastos e o combate à corrupção. Resta disso mais uma clara indicação de que os setores da esquerda que apoiam crimes históricos como a Lava Jato, ainda que com ressalvas pontuais, e grupos que endossam a necessidade de precarizar para controlar o endividamento público, fazem coro com a direita.

O ataque é mais um capítulo na longa série de ataques que João Doria, um membro de prestígio da estirpe dos sanguessugas, promove contra o Estado de dentro do próprio Estado. Em uma versão menos pândega e mais ardilosa da dupla Bolsonaro-Guedes, Doria e Meirelles estão destruindo o estado mais rico da União.

Enquanto Doria promete a privatização de todas as rodovias estaduais, Guedes articula a venda da Caixa Econômica Federal a bancos internacionais. Enquanto Doria passa por cima da lei para aprofundar o desmonte do serviço público paulista, através do sucateamento do funcionalismo, Guedes defende a redução do salário dos servidores federais.

A par e passo anda a burguesia no ataque contra o povo. Caso não sejam contidos, não sobrará estrada, balsa ou prédio público para contar a história. Só o levante das massas e a derrubada dos governos golpistas pode evitar que o Brasil encontre, no fundo do poço, a proliferação da miséria em uma velocidade nunca antes vista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas