Política de chantagem
Atendendo aos interesses das empresas privadas da educação, governador golpista quer impor o genocídio à juventude
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
b2rz8nqcjf1nf36ffkki8r0p3
Dória, o "cientista", prepara o massacre da juventude | Foto: Agência Brasil

O governador golpista de São Paulo, João Dória, afirmou na última quinta-feira que o estado de São paulo irá adotar medidas judiciais contra aqueles municípios que permitirem o retorno às aulas presenciais para as escolas particulares e proibirem para as públicas. O retorno às aulas  presenciais em São Paulo teve início no dia 8 de outubro, todavia, o governo estadual adotou a manobra de permitir que as prefeituras tenham autonomia na decisão.

A pressão pela volta às aulas é parte da campanha nacional e internacional da burguesia de volta ao trabalho presencial para todos os setores da classe trabalhadora, inclusive daqueles que estavam realizando atividades remotas como é o caso dos professores. A pressão para o retorno às aulas presenciais vêm principalmente dos capitalistas do setor privado, os quais preferem garantir seus lucros mesmo às custas da contaminação de jovens e trabalhadores da educação. Estes setores chegaram a organizar, em conjunto com a extrema-direita, passeatas exigindo a volta das aulas presenciais.

Como se pode verificar no caso de São Paulo, o retorno das aulas presenciais nas escolas particulares por conta dos interesses dos monopólios da educação serve de chantagem e pressão para o retorno nas escolas públicas. Apesar de toda a propaganda do governo estadual de que as escolas deveriam seguir protocolos de segurança, não há a mínima condição de retorno das aulas presenciais, tendo em vista as precárias condições das escolas, onde  faltam água e até mesmo papel higiênico.

Nesse sentido, a volta as aulas com a pandemia fora de controle no país, representaria um atentado principalmente contra juventude pobre, filhos e filhas da classe trabalhadora, os quais ficaram totalmente expostos a doença ao frequentarem as escolas estaduais.

Diante deste quadro, e contra a política de morte dos capitalistas, dos governadores e prefeitos, é necessário mobilizar a juventude, as famílias e os professores contra o retorno das aulas presenciais durante a pandemia. No caso dos trabalhadores da educação, é necessário entrar em greve contra o genocídio, exigindo o retorno somente quando houver a vacina.

É necessário também unificar esta mobilização com a juventude contra a reabertura das escolas e contra a farsa do chamado EAD. Trata-se de uma política apoiada por todos os setores da direita nacional e que abre a brecha para o completo desmonte da educação pública, para a sua privatização. Defender, portanto, a suspensão do calendário escolar durante a pandemia e a sua retomada somente quando houver as plenas condições de segurança, ou seja, a própria vacina.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas