Guerra da vacina
O governador que deixou 50 mil morrerem e milhões se infectarem, faz propaganda com a aprovação da vacina e a esquerda fortalece a política de apoiar o “mal menor”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
SÃO PAULO, SP, 21.07.2020 - VACINA-CORONAVÍRUS-SP - O governador de São Paulo, João Doria, durante entrevista coletiva no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, na capital paulista, após acompanhar o início dos testes da vacina contra o novo coronavírus, nesta terça-feira (21). (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
Doria faz intensa propaganda em torno da vacina | Foto: Reprodução

Junto com a aprovação emergencial da vacina pela Anvisa veio a comemoração e uma consagração de Doria. Para combater essa política do “mal menor” dentro da esquerda é preciso destacar o que de fato o governador João Doria fez contra a pandemia e esclarecer que dentro do bloco golpista não há ninguém interessado em defender os direitos dos trabalhadores. O “menos pior” será aquele que poderá continuar atacando a população a fim de conseguir controlar o regime a gosto da burguesia. 

A pandemia em São Paulo

Pelos números oficiais, que são subnotificados, em São Paulo já morreram quase 50 mil pessoas e foram mais de 1,6 milhão de contaminados. Nem parece que Doria,  o herói da pandemia, tão preocupado com a vacina, deixou tanta gente morrer e se contaminar.

No início da pandemia, o governador de São Paulo tentou fazer oposição a Bolsonaro defendendo o lockdown, mas até mesmo sua única política para a pandemia não passava de pura demagogia, para a população trabalhadora a possibilidade de fazer isolamento em São Paulo não foi diferente de nenhuma cidade fora do estado. Doria não possibilitou, principalmente para os trabalhadores, a realização do isolamento social. Os trabalhadores que não puderam ficar em “home office” (a esmagadora maioria) foram obrigados a enfrentar transporte público lotado, fábricas lotadas, ambientes insalubres e o total descaso com os doentes.

Como Doria pode ser o salvador da pandemia se nem uma medida simples como distribuir gratuitamente máscaras e álcool em gel foi realizada?

Não houve testes em massa, nunca existiu qualquer medida eficiente para impedir a contaminação de milhões de pessoas. E, para os doentes, não há nenhuma salvação também, o hospitais de campanha já deixaram de existir há tempos, e a superlotação de hospitais não é uma realidade só em Manaus, em São Paulo há inúmeros hospitais, até particulares, com 100% de lotação.

E para aqueles que comemoram como se o problema da vacina já tivesse sido resolvido, há inúmeras medidas que precisam ser tomadas para que de fato a vacina chegue a todos. E até chegar, e se chegar, é preciso que os doentes tenham leitos, que haja testes, algo que não foi feito durante todo o período da pandemia e agora com a vacina serão ainda mais deixadas de lado e resultará na morte de mais pessoas.

Doria é um genocida, não é menos pior que Bolsonaro. Ele é responsável pelo governo bolsonarista, contribuiu para o golpe e a tentativa de passar por um bom moço é só para poder, com muita demagogia, continuar massacrando o povo com a política de rapina do PSDB.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Send this to a friend