Frente Ampla
A promoção sistemática do governador que deu ração às crianças e jogou água em moradores de rua no inverno, mostram que está em curso a manobra Biden, para eleger Doria em 2022
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
doria4
João Doria (PSDB), é o maior beneficiário da campanha da imprensa burguesa contra Bolsonaro | Adriano Machado/Reuters/Reuters

A invasão do Congresso dos EUA na última quarta (6) e a disputa em torno da vacina no Brasil, que atingiu 200 mil mortos em dados oficiais, foram utilizados pela imprensa capitalista para desgastar a figura política do presidente golpista Jair Bolsonaro. Por outro lado, a mesma imprensa tece grandes elogios ao governador João Doria (PSDB), exalta suas medidas de suposto combate ao Coronavírus em São Paulo e impulsiona sua demagogia em torno da vacina. É a campanha para 2022 em curso e a burguesia golpista trabalhando seu possível candidato.

O protesto contra a nomeação de Joe Biden (Partido Democrata) como presidente dos EUA, que resultou na invasão do Capitólio – prédio do Congresso dos EUA – pelos apoiadores de Donald Trump (Partido Republicano), escancarou a crise no coração do imperialismo mundial.

A burguesia norte-americana ficou assustada e reagiu com uma campanha histérica na imprensa burguesa mundial. Jornais capitalistas de todo o mundo classificaram o protesto como um “atentado contra a democracia”, uma tentativa de golpe de Estado. Presidentes dos principais países imperialistas, como Alemanha, Inglaterra e França, foram a público repudiar a manifestação e defender a “democracia” norte-americana.

Escolhidos os representantes da “democracia” mundial, como Joe Biden, Angela Merkel, Boris Johnson e Emmanuel Macron, a imprensa burguesa brasileira fez questão de mostrar quem seriam os integrantes deste grande bloco democrático no Brasil.

Na edição desta quinta (7) o Jornal Nacional, da Rede Globo, divulgou as declarações dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia e do Senado, Davi Alcolumbre, ambos do DEM, bem como dos ministros do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, Alexandre Moraes e Roberto Barroso (que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral), onde todos defendem a “democracia” nos EUA, colocando-se a favor de Biden e contra os protestos dos apoiadores de Trump.

O telejornal, então, mostrou a declaração de Bolsonaro em que disse que se isso ocorrer no Brasil em 2022 haverá uma situação ainda pior que a dos EUA, insinuando que Bolsonaro é o Trump brasileiro.

Bem, se para a imprensa  pró-imperialista brasileira, Bolsonaro é o equivalente brasileiro de Trump, ou seja, um elemento de extrema direita que se coloca contra as instituições do regime burguês, quem seria então, para ela, o Biden brasileiro? Ou seja, o elemento da direita que seria o representante da “democracia”.

João Doria Jr.

O tucano tem tido um apoio sistemático e entusiasmado por parte da imprensa. Uma rápida consulta as capas da Folha de S.Paulo, do Estadão e d’O Globo, os 3 maiores jornais do País, comprova isso. É um dado de que a burguesia, neste momento, está trabalhando a imagem do governador, que deu ração para as crianças e jogou água em moradores de rua em pleno inverno, para ser o candidato da “democracia” em 2022, leia-se, seu candidato.

A utilização do termo “democracia”, neste sentido, é tão cínica quanto funcional, pois atende ao objetivo da burguesia em angariar o apoio da esquerda, o que já teve sinalização positiva de alguns setores da esquerda, expresso pelo ex-ministro e ex-governador Tarso Genro (PT), que defende Doria contra Bolsonaro.

Esta em curso a tentativa da burguesia em substituir Bolsonaro pela ala que, segundo ela, deveria estar governando o País desde o golpe de 2016. Ou seja, o PSDB, MDB, DEM, os principais partidos burgueses do regime, que lideraram a derrubada de Dilma Rousseff, mas que em seguida tiveram que apoiar Bolsonaro para impedir a volta do PT, caracteriza precisamente a Operação Biden no Brasil.

Por isso fala-se em “fascismo x civilização”, onde Trump/Bolsonaro são o fascismo e Biden/Doria, seriam a civilização. Trata-se da manobra para reciclar o governador “científico” de São Paulo, responsável por quase 50 mil mortes no estado e principal político genocida do País, atrás apenas do próprio Bolsonaro, para que ele apareça como um elemento aceitável e necessário para derrotar Bolsonaro. Tal como a burguesia fez com Biden, que não tinha apoio popular nenhum, mas que acabou aglutinando setores dos trabalhadores, dos negros, dos  latinos e da esquerda, assustados pela campanha da burguesia, que usou Trump como espantalho .

A articulação é clara. O problema para a burguesia é que diferente dos EUA, no Brasil a esquerda tem o maior candidato do país, que pode agrupar em torno de si o apoio majoritário da classe trabalhadora e derrotar qualquer candidato da direita. Se a burguesia entrou de cabeça na candidatura de Doria, os trabalhadores precisam colocar em marcha a candidatura de Lula para 2022.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas