Igual a Bolsonaro
Dória adota política fascista de Jair Bolsonaro e quer militarizar escolas de São Paulo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
48880706241-c8dde4e23f-k
Um "democrata" fascista? | Marcos Corrêa

Nesta semana, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, anunciou que está para abrir uma chamada para selecionar escolas com o objetivo de torna-las parte do modelo “cívico-militar” impulsionado pelo fascista Jair Bolsonaro.

Ainda em 2020, João Dória (PSDB) já havia anunciado a adesão ao programa, no entanto, por fazer fora do prazo dado pelo edital do Ministério da Educação, fez com que o estado se mantivesse até então, fora dos planos de militarização nacional.

O projeto defendido pelos militares, apoiadores do golpe de 64 e pelo governo do fascista Jair Bolsonaro, prevê a militarização total das escolas. Assim, com a presença de uma equipe de militares da reserva na administração escolar, os estudantes precisam seguir as normas impostas pelos militares, desde o fato de usarem fardas até na proibição da organização política, por meio de entidades como o grêmio estudantil.

O controle curricular e o conteúdo ensinado pelos professores também é vítima de inspeção dos militares. Por meio de um verdadeiro aparato ditatorial, com censura e restrições na atividade dos estudantes, o projeto apoiado pelo governador de São Paulo, João Dória, é o que há de mais fascista na educação brasileira.

A intenção, junto ao antigo projeto da escola sem partido (escola com fascismo), é controlar e destruir a atividade política da juventude. As escolas e as universidades são, sobretudo no Brasil, um dos principais pontos de encontro e troca de experiências que há na sociedade. Para a juventude, a principal maneira de se organizar politicamente, sendo um dos principais focos de mobilização social que existem no país.

Dessa maneira, a burguesia visa implementar as escolas militares e aprofundar a ditadura em todo país. Desde o início do governo Bolsonaro, esta política, impulsionada pelos setores mais fascistas do regime político, tornou-se uma marca de governos como Ibaneis (Distrito Federal), Wilson Witzel (Rio de Janeiro) e agora do fascista João Dória, principal nome tucano à nível nacional.

Anteriormente, o governo Dória buscava se desassociar desta política altamente impopular. Quando militares realizaram na baixada santista pesquisas junto as escolas a respeito do desejo da militarização do ensino, Dória declarou não ter envolvimento com a ação. Contudo, o “humanitário”, “científico” e “aliado da população” João Dória, decidiu não mais esconder sua política fascista para com a juventude, e aprovar de maneira acabada a militarização das escolas.

Vale lembrar que João Dória é justamente colocado como o homem de “oposição” ao governo Bolsonaro dentro da direita. Supostamente, o mesmo faria parte uma direita “civilizada” e defensora da democracia. No entanto, como toda a burguesia golpista, não há uma única parcela de sua política real que não esteja estritamente ligada ao bolsonarismo, e ao fascismo.

O que Dória quer fazer com o principal polo de mobilização do movimento estudantil no Brasil não tem precedentes históricos, a não ser na própria ditadura militar. Dessa maneira, como não bastasse o completo genocídio impulsionado pelo governador que deseja reabrir todo o ensino em plena nova onda da pandemia, os alunos agora serão obrigados a estudar em uma verdadeira ditadura, sem direito democrático algum e seguindo diretamente o controle do principal setor da burguesia brasileira, representado por Dória, verdadeiros lacaios do imperialismo.

A esquerda ao ver Dória como um possível aliado na luta contra o fascismo, na realidade apenas impulsiona a própria campanha fascista. João Dória é colocado pela burguesia como um homem líder da politica de frente ampla na direita, responsável por “defender” a população em uma grande unidade “democrática”. No entanto, o tucano é o que há de pior na política nacional, inclusive, um dos grandes responsáveis pelo golpe de Estado e pela eleição de Jair Bolsonaro, com o seu famoso slogan “BolsoDória” estampado nas últimas eleições nacionais.

A política de frente-ampla mostra-se mais uma vez uma política de suicídio político da esquerda pequeno-burguesa, uma profunda derrota para os trabalhadores e para a juventude, quando por outro lado não apenas fortalece o principal setor da burguesia brasileira e o imperialismo, como também a política fascista e ditatorial que comanda o país. Apoiar um fascista como Dória, é levar toda a população para uma profunda ditadura.

Enquanto a imprensa burguesa tenta levantar o problema da vacina, como uma grande conquista de Dória, o que na realidade o governo de São Paulo promove é um genocídio, com a volta às aulas, e uma ditadura fascista com as escolas militares.

Para a juventude e suas organizações estudantis, a implementação das escolas militares representará uma profunda derrota para todo o movimento da juventude. A juventude e suas organizações, precisam agir imediatamente uma intensa campanha não apenas contra a volta às aulas, como também contra a ditadura nas escolas. Nesse sentido, a Aliança da Juventude Revolucionária (AJR), coletivo de juventude do PCO, busca organizar toda a juventude por meio dos comitês de luta estudantis, que, por fora da burocracia do movimento estudantil, organiza um verdadeiro movimento de mobilização política, com greves, atos e intensa campanha nas escolas e universidades, demonstrando na prática o caminho a ser seguido.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas