Lucro acima de tudo
Surfando na campanha anti-Rússia, Doria se recusa a adquirir a vacina russa, valorizando o monopólio da industria farmacêutica
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
SÃO PAULO,SP, 15.07.2017 – JOÃO-DORIA – O prefeito de João Doria realiza uma entrevista coletiva em frente sua casa, no Jardim Europa, após uma manifestação no local. Durante o ato, foi pichado “SP não está a venda”, no muro da casa do prefeito. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
João Doria em sua casa | Foto: Bruno Santos

Na última terça-feira (11), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que o Instituto Butantã não vai produzir a vacina russa. A justificativa, é que o estado já tem uma parceria com o laboratório chinês Sinovac para a produção da CoronaVac e ‘não há motivo’ para trabalhar com uma segunda alternativa.
Em entrevista à Rádio Bandeirantes, Doria afirma que “Não sou capaz de avaliar se é boa ou não é, se tem o aval da Organização Mundial de Saúde. Não quero fazer pré-avaliação. Mas pelo Butantã, não. Houve uma procura, mas foi respondido que já temos uma associação com o laboratório chinês Sinovac para a produção da CoronaVac. Não faria sentido algum ter uma segunda alternativa no mesmo Butantã , cujo objetivo é o mesmo” – o objetivo é o mesmo, mas não está pronta e o “científico” Doria, já liberou a reabertura de setores não essenciais e quer a todo custo, liberar a reabertura das escolas, mesmo com o número de casos de infectados e mortos por Covid-19 ultrapassando os limites atmosféricos. .
Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo disse que acompanha ao lado da comunidade científica o desenvolvimento da vacina pelo Governo russo e que atualmente o Instituto Butantã está participando da pesquisa da CoronaVac, da farmacêutica Sinovac Biotech.
Ao mesmo tempo que João Dória se recusa a adquirir a vacina russa para imunizar a população, o mesmo avança com sua política genocida de reabertura de setores não essenciais e a volta às aulas, no estado que é o epicentro da pandemia no país, com mais de 25 mil mortes – até o presente momento.
Há anos a Rússia tem sofrido uma campanha de difamação pela indústria de propaganda imperialista, mesmo assim, ela saiu na frente na corrida do desenvolvimento da vacina, viabilizando para o restante do mundo que não fique à reboque do sistema capitalista estadunidense e britânico, por meio de suas indústrias farmacêuticas.
Ocorre que assim como a OMS e os governos imperialistas, Doria está fazendo uma propaganda contra a vacina russa e o que está por trás disso, são os monopólios da indústria farmacêutica que perderão a concorrência para os russos, portanto, perderão lucros gigantescos. Assim, a vacina russa está sendo boicotada em favor dos monopólios, que estão tentando desenvolver logo sua própria vacina para ganharem o mercado e lucrarem com a venda monopolista da vacina para todo o mundo.
O fascista e genocida João Doria, como um bom capacho do imperialismo está fazendo direitinho esse jogo.
Assim como o Sr. Jair Messias Bolsonaro (Sem partido), o “Bolso Dória” tem total responsabilidade nas mortes por Covid-19 e pelos desalentados decorrentes da pandemia, por sua falta de política de assistência ao povo que depende do convívio social para obter sustento, liberando o retorno de atividades não essenciais contribuindo com o disparo dos casos e agora , boicotando a vacina russa.
É de vital importância a mobilização de toda a população para a derrubada dessa classe sanguessuga, que prossegue construindo as suas vergonhosas trajetória política, em cima do sangue do povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas