Organizar a autodefesa
O fascista João Dória, enunciado até pela esquerda como político “científico” está realizando grande número de despejos em São Paulo, como o ocorrido em Diadema nesta terça feira
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
despejo (1)
Dória desaloja mais de 200 pessoas em Diadema, jogando as na rua em meio a pandemia | DCO

O Golpe de Estado, com a subida e estabilização dos governos fascistas no poder e o isolamento de grande parte da esquerda do país, como é exemplo o fechamento de sindicatos, sob a cobertura da proteção ao coronavírus e que deixou milhares de trabalhadores órfãos de suas organizações de luta. Essa situação possibilitou entre outros, um enorme número de ataques como o aumento dos despejos da população pobre e trabalhadora por todo o país, impulsionado pelos fascistas e seu aparato judicial e repressor.

Nesta terça feira a mando do governador fascista João Dória, foi imposta pela força a reintegração de posse, de terreno em Diadema onde moravam mais de 40 famílias. O terreno de mais de 200 metros quadrados, pertence ao governo do estado e está sob concessão da Ecovias. O local está sob um elevado da Rodovia dos Imigrantes. Os moradores procuraram resistir, enfrentando a PM. Durante a resistência os moradores da Comunidade do Jd. Ruyce , carregavam faixa com dizeres: “NÃO SOMOS INVASORES, SOMOS TRABALHADORES” , percebendo o avanço e aumento do número de PMs que lançavam bombas de gás lacrimogênio, os moradores bloquearam vias no entorno do terreno em tentativa de procurar conter a PM, segundo relatos de moradores a PM teria ateado fogo nos barracos que ficam embaixo de um viaduto na Avenida Eldorado. Em meio a pior pandemia da história brasileira, cada vez mais brasileiros estão sendo jogados a morar em baixo de pontes e pelas ruas ao relento com suas famílias.

Frente a este brutal crime dos governos fascistas é necessário se organizar e lutar contra o despejo, não apenas nas redes sociais ou no parlamento, mas no local, se antecipando na luta pelo direito de moradia e contra os despejos com a organização de comitês de autodefesa contra a violência do aparato estatal e policial para lutar contra essa enorme ofensiva.

Nesta política se aglutinariam elementos da comunidade e de outras organizações similares para planejar a luta contra essa violência da polícia militar e do governo fascista. É importante a formação desses comitês em todos as ocupações de moradia, locais de trabalho, bairros, acampamentos, assentamentos e outros locais para aglutinar o maior número de pessoas possíveis para enfrentar a direita.

Os comitês de autodefesa serviriam inclusive para organizar deslocamento de pessoas para as áreas em conflito e ajudar no enfrentamento. Também organizar fechamento de rodovias, novas ocupações e manifestações em diversos locais do país onde existissem comitês de autodefesa.

A cada dia que passa fica cada vez mais claro a necessidade de formação de comitês de autodefesa em cada local para enfrentar os ataques da direita que estão sendo realizados numa escala muito maior e cada vez mais violenta.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas