A era Bozo perto do fim.
O recorde de queda do dólar no país foi durante o governo FHC, quando um dólar valia 7 reais. Bolsonaro pode quebrar esse triste recorde.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
images (1)
O dólar vai chegar rapidamente aos 5 reais, o aumento está aceleradíssimo. |

O recorde de queda do dólar no país foi durante o governo FHC, quando um dólar valia 7 reais. Bolsonaro pode quebrar esse triste recorde.

O livro Diários da Presidência de Fernando Henrique Cardoso em mais de um momento, FHC declarou sua intenção de encerrar a “Era Vargas”.

Esse feito não era tarefa fácil. Afinal, se contarmos a Era Vargas como o período que se iniciou com a Revolução de 30 e terminou com o fim do regime militar, ela foi, (junto ao período das greves dos anos 80) na maior parte do tempo, o período que consolidou alguns direitos que só com o golpe de 2016 e a fraude nas eleições de 2018 pôde destroçar.

O desmonte da Nação, dos direitos, privatizações, demissões, entrega da soberania nacional, subserviência total aos EUA, tudo isso colabora para a desvalorização do real só foi possível com governos neoliberais de FHC.

Os inúmeros índices econômicos que comprovam como o governo Bolsonaro é neoliberal e um governo de ferozes ataques, jamais vistos desde a ditadura, contra a população. Aqui se repete a fórmula de FHC: privatizações, demissões, entrega da soberania nacional, subserviência total aos EUA, tudo isso colabora para a desvalorização do real.

Acrescente o surto do coronavírus, e a visão do flagelo confirma-se absolutamente. Ressalve-se, porém, que real é a moeda que mais se desvalorizou este ano, o que mostra que não é culpa apenas da epidemia, mas da política econômica de Bolsonaro.

Mas, se o dólar de FHC chegou a R$ 7,00 em 8 anos, o dólar de Bolsonaro, em apenas um ano e pouquinho segue em disparada próximo de R$4,75 em meio a aversão a risco e apesar de atuação do BC.

O limite é o céu. O dólar era negociado em disparada acentuada contra o real nesta segunda-feira, chegando a superar 4,79 reais na máxima do dia em meio à onda de aversão a risco global. As reservas cambiais são torradas pelo Banco Central e a moeda americana não para de escalar.

A alta é agora contada por horas. Às 10:06, o dólar avançava 2,17%, a 4,7351 reais na venda, e chegou a tocar a máxima recorde de 4,7950 nos primeiros negócios. Enquanto isso, o dólar futuro saltava 2,45%, a 4,747 reais.

Num Mundo absurdo de terra-planistas estamos de cabeça para baixo neste exato momento, ou, “O mundo está de pernas para o ar”, disse à Reuters Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora.

Mas, desgraça pouca é bobagem e, além do coronavírus, é preciso acrescentar aqui a queda acentuada dos preços do petróleo que levaram uma economia frágil com o desmonte promovido pelos golpistas à UTI.

Perto do fim. A crise que se avizinha exige que derrubemos agora o governo dos golpistas. Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas