Dois caminhos: aceitar o que a direita manda ou resistir

LULA_CUT

Embora a ressaca do dia 11, essa terça-feira nefasta, esteja ainda a embotar a mente de milhares de militantes que viam como única perspectiva de derrotar o golpe a luta em torno da candidatura de Lula e que agora estejam a processar a decisão da direção do PT de se curvar diante da exigência dos golpistas e abdicar da candidatura de Lula, substituindo-o por um “Plano B”, as engrenagens da luta de classes não param, portanto os setores mais conscientes da classe operária devem, necessariamente, ir ao fundo do significado dessa decisão da direção do PT, para dar prosseguimento à luta contra o golpe, pois não serão as eleições, ainda mais diante da absoluta fraude em que estão colocadas, que abrirão uma perspectiva para resolução dos graves problemas que estão colocados para a esmagadora maioria do país.

Uma efetiva compreensão sobre a natureza do problema em que se coloca a luta contra o golpe, diz respeito ao posicionamento das forças políticas diante dele. Grosso modo, podemos afirmar que três campos em luta se apresentaram no tabuleiro da luta política. Um setor representado pela ala direita do PT e que expressa o posicionamento dos setores do Partido que mais estabeleceram relações com o regime político, particularmente às oligarquias estaduais, aí poderia ser incluído os governadores e uma maior parte dos parlamentares e partidos como o PCdoB; um setor de centro, representado pela direção do PT e ligada diretamente a Lula, aí estão incluídos amplos setores do sindicalismo; finalmente, um terceiro setor que vem evoluindo à esquerda, como resultado da crescente polarização política do país. Aqui podemos apontar amplos segmentos da base do PT e do movimento popular e operário.

A ala direita do PT foi o setor que desde o impeachment de Dilma procurou levantar a bandeira “de virar a página” do golpe, expressão cunhada pelo senador por Pernambuco e ex-governador daquele Estado, Humberto Costa. Esse setor, salvo a formalidade de se posicionar contra o impeachment, em nenhum momento moveu uma palha contra o golpe e a operação montada contra Dilma e depois contra Lula, nunca utilizando as suas máquinas locais para favorecer as mobilizações. Foram, ainda, a correia de transmissão da grande imprensa golpista e os primeiros a tentar emplacar o “Plano B” com o apoio à candidatura de Ciro Gomes

A ala de centro organizada em torno de Lula, em que pese ter sido o centro da resistência ao golpe, da denúncia da farsa do impeachment e da perseguição ao próprio Lula, foi refém a todo momento da pressão exercida pela direita do Partido e pelo próprio regime político golpista. Em todos os momentos em que se colocou a necessidade da mobilização independente das massas para fazer frente ao golpe, limitava o movimento e focava em torno das “saídas institucionais” que se apresentavam, como o impeachment, onde buscaram pressionar os parlamentares, deixando de lado a mobilização popular, ou seja, não colocando ela como fator de decisão, mas como uma pálida ferramenta de pressão.

Essa mesma atitude foi tomada diante das raposas do judiciário, sempre com a crença que as instituições golpistas não levariam às últimas consequências a condenação de Lula e sua prisão. Cabe ressaltar, que a própria CUT limitou em absoluto a mobilização popular. Em que pese a considerável adesão à greve geral de abril de 2017, o movimento contra o golpe e as “reformas do governo Temer não teve prosseguimento. Mesmo diante da greve dos caminhoneiros, que levou o governo golpista à lona, a Cut se colocou como mera espectadora.

Finalmente, a decisão da direção do PT de se submeter ao tacão do golpe, retirando a candidatura de Lula ao invés de levá-la às últimas consequências, foi um retrocesso na luta contra o golpe. O que seria um enfrentamento contra a direita se transformou em um capitulação. A crise estava com os golpistas: como garantir a participação do PT sem Lula. O PT deu a solução.

É preciso entender que fazendo o que a direita quer, a direita ganha, por mais óbvio que parece, os que querem Lula fora não entenderam isso, pois o que golpe mais queria, era um Haddad candidato.