Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

A questão das doenças ocupacionais dentro dos frigoríficos, abatedouros, entre outros, como problemas na coluna cervical, nos ombros, joelhos, bem como tendinite, em geral são bastante conhecidas, no entanto e mesmo estas, os patrões procuram ignorar completamente. O Instituto Nacional de Seguridade social (INSS) sempre nega ao trabalhador o direito ao benefício, mas há uma gama de outras doenças que sequer entram em conta, e são amplamente conhecidas pelos patrões e obviamente pelas autoridades em saúde.

Uma delas é a chamada brucelose, que é adquirida através da matéria prima utilizada, nos abatedouros e frigoríficos, ou seja, a carne bovina e suína.
A brucelose humana, por exemplo, já é considerada “endemia emergente” em Rondônia, conforme alerta feito pelo médico Heinz Jacob, do Centro de Referencia em Saúde do Trabalhador (CEREST), porém, este Estado não é um caso isolado, ao contrário, atinge praticamente todos os Estados do País.

A Justiça trabalhista concedeu ao Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT), uma liminar que obriga a JBS S/A, dona das marcas Friboi e Seara, a adotar medidas capazes de detectar possíveis casos de contaminação de empregados e ex-empregados por brucelose, uma doença crônica transmitida pelo contato direto com animais doentes ou pela ingestão de leite não pasteurizado e produtos lácteos contaminados. Justificam a concessão da liminar os inúmeros riscos biológicos existentes no ambiente de trabalho dos frigoríficos – exposição dos funcionários a carnes, glândulas, vísceras, sangue e dejetos de animais portadores de doenças infectocontagiosas – e a grande incidência de carcaças bovinas que sugerem a contaminação pela bactéria.

A Brucelose é conhecida também por “mal de Bang”, “febre de malta”, “febre de Gibraltar”, “febre mediterrânea” ou “aborto infeccioso”, ela é uma zoonose bacteriana causada pela Brucella, um cocobacilo encontrado em cabras, ovelhas, camelos (Brucella melitensis) e bovinos (Brucella abortus), em suínos (Brucella suis) e cães (Brucella canis).

Todas as variações podem transmitir a doença ao ser humano, mas a dos bovinos é a que mais os ameaça, segundo dados do relatório.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas