Documento da CIA: alto comando da ditadura foi mandatário dos assassinatos

28853

Foi revelado esta semana, pela própria imprensa burguesa, documento que revela alguns detalhes da ação dos militares no Brasil durante os anos de chumbo. Nunca é demais lembrar que existem militares que defendem que não houve mortes, perseguições, execuções, etc. Mas a própria CIA desmente.

O documento é datado de 11 de abril de 1974, e foi elaborado pelo então diretor da CIA, William Egan Colby, e endereçado ao secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger, e reconhece que pelo menos 104 foram “sumariamente executadas pelo CIE durante o último ano aproximadamente”. CIE era o Centro de Inteligência do Exército.

Todo o texto era uma relatoria de um encontro entre Geisel e Figueiredo com os generais Milton Tavares e Danton Avelino, que estavam trocando de comando na chefia do CIE.

Agora a denúncia ganhou maior força em virtude de os militares estarem ganhando, aos poucos, espaços no regime político brasileiro. É o que se vê, por exemplo, na intervenção militar no Rio de Janeiro.

Bem dizer, o próprio Poder Executivo nacional, o Judiciário e outras instituições só decidem de tal ou qual maneira depois de alguma conversa com os militares, depois que o militares determinam tal ou qual ação. É o que revela, também, a execução de Marielle Franco, assassinada com a cobertura e participação dos militares, todos.

A denúncia veio em boa hora para intensificar a campanha contra os militares como um todo. Lugar de militar é no quartel, somente. É preciso lutar pelo fim da intervenção no Rio, contra o golpe de Estado e, especialmente, contra a prisão de Lula, um dos alvos históricos dos militares.