Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maxresdefault (3)
|

Há 40 anos a ditadura militar brasileira proibia a veiculação do documentário “Wilsinho da Galiléia” produzido por João Batista  de Andrade. O jovem Wilsinho Galiléia expressa em sua tragédia pessoal a política barbara, violenta e terrorista da burguesia e dos militares contra o povo. Wilsinho foi assassinado pela Polícia Militar de São Paulo aos 18 anos de idade em um emboscada na casa de sua amante, ao chegar foi metralhado pelo PM.  

Galileia é uma figura emblemática, pobre com cinco irmãos, teve o pai assassinado ao nove anos, tornou-se ele próprio “bandido”. A Polícia lhe atribuía 15 homicídios e mais 500 roubos. Quando assassinado tinha fugido da antiga Febem e três de seus irmãos lá se encontravam. Seus dois irmão mais novos foram assassinados alguns anos depois, 1981, pela Rota em São Bernardo do Campo.

O documentário além de registrar a história de Wilsinho pretendia discutir mais profundamente o problema social, o porquê surgem “Wilsinhos”. Debater a exclusão social gigantesca da época da ditadura e que permanece a até se amplia ainda hoje.

O documentário seria transmitido no Globo Repórter, da empresa apoiadora da ditadura. A Divisão de Censura, contudo, proibiu a exibição, declarou inconveniente para a TV, por suas “cenas nefastas e desumanas”.

A realidade da violência da ditadura e o problema social – que não estão tão longe de nós e com o golpe de Estado ficaram cada vez mais perto – retratados no filme ainda subsistes nos dias de hoje. A Polícia continua a executar exatamente como executou Galileia, a violência do Estado aumenta, a desigualdade social só cresce… o jovem  da periferia é esmagado pelo Estado.

O documentário proibido pela ditadura há 40 anos pode dizer nos muito ainda hoje.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas