A direita só sabe reprimir
Enquanto a direita mantém sua política de não investir em benefício da população, substitui agora o isolamento social pelas medidas repressivas.
Marcelo_Prefeito
Marcelo Belinati, prefeito de Londrina desde 2016. | Foto: DiegoCunha 1/ Wikipédia
Marcelo_Prefeito
Marcelo Belinati, prefeito de Londrina desde 2016. | Foto: DiegoCunha 1/ Wikipédia

Com o pretexto de combater a pandemia de COVID-19, o prefeito de Londrina/PR, Marcelo Belinati (PP), decretou uma espécie de Lei Seca na cidade, 2ª maior do Paraná e 4ª maior do Sul. As medidas em vigor desde o dia 11 incluem o fechamento dos bares, a proibição da venda de bebidas para consumo nos locais e nas imediações (que pode resultar em multa de 3 mil reais), fechamento de praças, parques e lagos, além de multa de 300 reais para quem estiver sem máscara.

Ao longo dos últimos meses, ficou claro que a direita não tem nada de positivo para oferecer para a população. Ao invés de distribuir máscaras e álcool em gel, entre outras ações possíveis para beneficiar o povo, os políticos da burguesia só lançam mão de medidas repressivas.

No começo da pandemia no Brasil, o recurso do isolamento social foi a estratégia única de prefeitos e governadores. Além de atingir apenas uma pequena parcela da população, a medida serviu para encobrir a falta de investimentos para um combate real ao avanço das infecções pelo novo coronavírus.

Agora, a bola da vez são as medidas repressivas, multas e restrições às atividades de lazer. Com a anuência de setores confusos da esquerda, os direitistas apostam na estratégia de culpabilizar a própria população pelo avanço da pandemia. Para encobrir a falta de investimentos, agora que o isolamento social foi abandonado, a direita aposta em especial nessas medidas repressivas.

Enquanto grande parte da população se mantém nas aglomerações diárias nos transportes públicos, indústrias e empresas, a esquerda pequeno-burguesa fica chocada com as aglomerações nas praias. Como explicar para a população que ela pode trabalhar, pode se aglomerar nos trens e ônibus, mas não pode descansar e ter lazer?

Enquanto isso, muitos sindicatos seguem fechados e é cada vez mais reduzida a parcela da classe média que pode ficar em quarentena. Parte dessa classe média ruge nas redes sociais contra a população enquanto se nega a combater os governos direitistas e em especial o ilegítimo presidente Jair Bolsonaro.

É preciso denunciar essas medidas e cobrar por ações efetivas do estado. Ao invés de fazer coro com a direita, a esquerda precisa denunciar que as medidas repressivas são inaceitáveis e só servem como uma cortina de fumaça para encobrir a falta de políticas públicas dos direitistas. Apesar da sonolência de parte dos sindicalistas, é preciso organizar a paralisação dos serviços não essenciais, para que os governos subsidiem o isolamento social e invistam para melhorar as condições sanitárias do povo.

Relacionadas
Send this to a friend