Ditadura no Rio: jovens presos por trocarem mensagens de alerta

Sem título

Cinco jovens, dentre os quais um menor de idade, foram presos por terem sido flagrados trocado mensagens no celular e avisando uns aos outros de que era perigoso andar pela comunidade em função da presença de militares armados.

Um deles havia postado a foto de um blindado sondando a região onde morava, no Morro do Sereno, no Complexo da Penha.

Ao se defrontarem com os militares, tiveram suas casas invadidas e foram enquadrados nos crimes de associação para o tráfico e corrupção de menores, tendo sido levados para a cadeia logo em seguida.

Desde então, seus familiares passaram a aguardar ansiosamente a análise do pedido de soltura dos jovens encaminhado pela Defensoria Pública ao juiz de plantão.

Eles foram finalmente libertados do presídio de Benfica na última quinta-feira, dia 23, quando parentes e amigos correram para abraçá-los em frente à penitenciária. Um dos familiares disse: “Graças a Deus conseguimos a decretação de soltura do meu sobrinho, Israel da Silva Costa. Estamos com fome, com sede. O meu sobrinho de 16 anos só estava avisando a uma colega da escola o risco que ela correria se fosse à aula”.

Além da prisão arbitrária, sem qualquer contraditório e sem direito a um julgamento imparcial, existem diversas reclamações sobre a falta de assistência às famílias dos presos em situações parecidas, que permanecem em frente aos presídios sem dinheiro e com fome, aguardando informações e decisões dos juízes.

Trata-se de mais uma demonstração dos efeitos da intervenção militar no Rio de Janeiro, que é uma medida destinada a reprimir o povo pobre da periferia e conter qualquer tipo de reação contra a política neoliberal destrutiva que vem sendo implementada pelo governo Temer e pelos demais golpistas.