Lula na mira do judiciário
Esse fato, portanto, revela que o judiciário estabelece uma ditadura geral sobre todos os assuntos políticos do país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lula-honoris-causa
Lula na cerimônia que lhe concedeu o título de Doutor Honoris Causa | Ricardo Stucker

Na última sexta-feira, 9, o Judiciário deu mais uma mostra da ditadura que se aprofunda no País. Sob a caneta do juiz Carlos Bruno de Oliveira Ramos, da 4ª Vara Cível de Arapiraca, o Tribunal de Justiça de Alagoas determinou a anulação do título de doutor honoris causa da Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL) concedido ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo o juiz, “não é razoável, nem atende à moralidade administrativa conceder honraria a alguém condenado judicialmente e que ainda responde a outras ações penais”. Era de se esperar que essa arbitrariedade viesse da direita golpista com o apoio dos sicofantas de toga. A ação contra Lula fora movida pela advogada até então filiada ao partido Novo, Maria Tavares Ferro. Atualmente, a advogada é candidata a vereadora pelo PSDB.

A ação, num primeiro momento, fora negada pela justiça, alegando que “não restou configurado a probabilidade do direito ou perigo do dano” da honraria. O Ministério Público, por sua vez, manifestou-se pelo arquivamento do processo. Pois bem! Ainda era cedo para comemorar vitória. Pouco tempo depois, a realidade do regime político brasileiro deixaria sua marca na esteira das arbitrariedades. Em outros casos, as traças fariam o trabalho de digerir a petulância da advogada. Porém – como é sabido, tratando-se de Lula, toda arbitrariedade é pouca; assim, o título concedido ao ex-presidente em 23 de agosto de 2017, acabaria caindo nas mãos de Carlos Bruno, seu algoz.

A assessoria do ex-presidente disse que, embora não caiba comentário acerca da decisão do juiz, “ela parece ser uma violação evidente dos princípios constitucionais da autonomia universitária e da presunção da inocência”. Obviamente, o cancelamento do título de Lula é uma clara intervenção na autonomia universitária. Esse fato, portanto, revela que o judiciário estabelece uma ditadura geral sobre todos os assuntos políticos do país. Por meio dessa ditadura, a justiça continua perseguindo Lula; não apenas com a questão da Lava Jato, mas a justiça em geral persegue Lula, sendo este um órgão ditatorial utilizado como máquina de perseguição dos setores mais reacionários. É preciso pedir a extinção do atual sistema judiciário completamente antidemocrático. Um judiciário minimamente democrático seria feito de juízes eleitos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas