Imperialismo
A promotoria espanhola retomou os processos contra os agentes da polícia catalã Mossos D’Esquadra. Na visão da promotoria, eles deveriam ter reprimido com muito mas violência
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1162808
Mossos D'Esquadra: polícia da Comunidade Autônoma da Catalunha. | Foto: Reuters.

A promotoria espanhola anunciou, nesta segunda-feira (08), a retomada dos processos contra o major da polícia catalã (Mossos D’Esquadra), José Lluis Trapero, que haviam sido suspensos por causa da pandemia do Covid-19. A acusação apresentou o pedido de rebaixamento do crime rebelião para o de sedição, a qual solicita a condenação a penas de dez anos de prisão e dez anos de impedimento de exercer qualquer cargo público. Como alternativa, o promotor apresenta a condenação alternativa pelo crime de desobediência, que livraria Trapero da prisão e somente o tornaria inapto para exercer cargo público por 1 ano e 8 meses.

A acusação pede a mesma pena para outros dois acusados, o ex-diretor dos Mossos D’Esquadra, Pere Soler,  e o responsável pelo departamento do interior da Catalunha, César Puig. Por último, para a intendente da polícia catalã, Teresa Laplan, foi solicitado quatro anos de prisão com a condenação alternativa de 1 ano de inaptidão para exercer cargos públicos.

A promotoria considera os agentes da polícia catalã como cúmplices da mobilização pelo referendo popular que aprovou a Independência da Catalunha em 2017. Na visão dos promotores, eles não agiram segundo as ordens judiciais das instâncias superiores para impedir a realização do referendo. Pelo contrário, eles agiram para impedir ou dificultar a intervenção das forças policiais do governo central espanhol.

Diferentemente do que afirma a promotoria, embora a polícia autônoma da Catalunha estivesse dividida em função do forte sentimento independentista que marca a região e pelas mobilizações populares, ela desencadeou uma forte repressão contra os organizadores e os eleitores do referendo. A votação esmagadora pelo “Sim”, algo em torno de 90% do total, fez com que as autoridades do governo central mandassem grandes contingentes para reprimir a população catalã. Os líderes do movimento independentista foram presos, processados e alguns buscaram exílio em outros países. Em um determinado momento da crise política, o governo central propôs o envio de tropas das Forças Armadas para afogar em sangue os anseios pela independência dos catalães.

A repressão do governo de Madri busca se justificar com o argumento de que trata-se de manter a unidade territorial do território espanhol. Contudo, esta unidade é artificial e baseada na anexação de territórios por Madri e sua manutenção pela força militar. Os catalães alegam o direito de auto-determinação para se dedicarem a construção de uma nação independente, na medida em que são um povo com uma identidade, cultura e língua próprias.

A Promotoria Espanhola, ao processar os agentes da Mossos D’Esquadra, considera que eles deveriam ter se destacado na repressão ao movimento independentista muito mais do que o fizeram. A repressão da polícia catalã deveria, segundo a promotoria, ter sido exemplar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas