Ditadura em Curitiba: PM apreende materiais de Gleisi em bancas de camelôs que defendem Lula

curitiba (2)

Da redação – A Polícia Militar de Curitiba (PR), sempre à serviço dos golpistas e contra o povo, apreendeu no centro de Curitiba, nesta quinta-feira (27), materiais de campanha da senadora e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann. O material que lança Gleisi para uma vaga na Câmara dos Deputados, estava exposto em barracas de camelôs, contendo fotos do ex-presidente Lula, pois, afinal, o material todo foi tirado antes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) golpista passar por cima de lei mais uma vez e de forma ditatorial proibir a veiculação da imagem do petista nas ruas.

O argumento encontrado na imprensa burguesa, que segue as orientações dos tribunais inquisitórios e serve de suporte para a ação fascista dos policiais, é que o material “dá a entender” que Lula ainda seria candidato.

“Considerando a decisão do Plenário do Tribunal Superior Eleitoral, do dia 31/08/2018, que indeferiu o Registro de Candidatura do candidato Luiz Inácio Lula da Silva, devido a sua inelegibilidade disposta na Lei da Ficha Limpa, notifique-se os candidatos beneficiários da propaganda para que recolham imediatamente todo o material impresso que apresenta o Sr. Luiz Inácio Lula da Silva como candidato a presidente”, despachou o juiz.

Em nota, o PT afirma que os materiais apreendidos foram produzidos antes da impugnação da candidatura de Lula, porém, a ditadura em que os trabalhadores estão vivendo não liga para argumentos e sim para quem controla o poder. Quem está por trás dessas ações são os militares, pois, dentro do STF o assessor do presidente Dias Toffoli é um milico do alto comando, e, nos ministérios golpistas, temos o parente de torturadores, o militar Sérgio Etchegoyen.

Os trabalhadores devem compreender que essa situação de total arbitrariedade deve ser derrotada nas ruas com organização dos trabalhadores contra o golpe e pela liberdade de Lula, o candidato do povo e no qual o povo foi impedido de votar.