Venezuela e o Coronavírus
Regime chavista implementa programa de assistência à população para enfrentar a epidemia, ao contrário do que veem fazendo os regimes direitistas da AL submissos ao imperialismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2020-03-14t022739z-1044560438-rc2ejf9xzpgc-rtrmadp-3-venezuela-politics
"Foto - Reprodução" - Venezuela implementa programa de ajuda à população para enfrentar a crise |

A pandemia mundial do Coronavírus (Covid-19) vem atingindo, indistintamente, todos os povos e nações em todos os continentes, embora a manifestação e o número de infectados ocorra de maneira diferenciada. De certa forma, esta situação pode ser caracterizada como normal, em função das agudas discrepâncias e desigualdades sociais, fenômeno inerente ao capitalismo, particularmente nesta etapa de completa desagregação do sistema em escala mundial.

Originariamente surgido na China, o vírus expandiu-se rapidamente por todas as demais regiões, onde neste momento o epicentro está localizado na Europa, mais particularmente na Itália e na Espanha, mas com rápida evolução para outros países do velho continente como França, Alemanha e Inglaterra. A epidemia mundial também ameaça diretamente a nação mais rica e poderosa do planeta, os Estados Unidos, onde o número de casos cresce exponencialmente, com registro de mortes em elevação constante.

O enorme registro de casos e mortes nos países centrais do capitalismo atesta que as políticas neoliberais de destruição dos serviços públicos (saúde, educação) implementadas por governos de direita – alguns de inspiração abertamente fascista (EUA, Inglaterra, Itália) – é a grande responsável pelo alastramento da pandemia nestes países, onde a assistência que deveria ser prestada pelo Estado deu lugar aos negócios e ao lucro dos capitalistas.

Curiosamente, parece ser nos países que resistem às políticas neoliberais de destruição da capacidade de intervenção do Estado o lugar onde o controle da epidemia aparenta ter resultados diferentes dos países imperialistas, pelo menos é o que se vê neste momento. Em Cuba, na Rússia e Coréia do Norte, por exemplo, os casos são esporádicos e não há registro expressivo de mortes.

Em nosso continente, a América Latina, a situação assume contornos cada vez mais graves, com o número de casos e mortes crescendo em larga escala. Uma situação particular, por apresentar números opostos e iniciativas também muito diferentes dos governos direitistas submissos ao imperialismo, é a Venezuela, onde o regime chavista liderado pelo presidente Nicolás Maduro vem implementando um programa de ajuda e assistência ao conjunto da população, com distribuição de alimentos, subsídios salariais, isenção no pagamento de taxas públicas (água, energia, gás, aluguéis, impostos). Não há, até o momento, registro importante de casos de infecção pelo vírus no país bolivariano, estando a epidemia, aparentemente, sob controle.

Vale salientar, a propósito, que a Venezuela vem sendo qualificada pelo imperialismo e por governos direitistas do continente latino como uma “terrível ditadura”, onde a população é oprimida e massacrada pelo regime ditatorial que vem matando o povo de fome; isso de acordo com a “crítica” dos “democratas” da estirpe de Bolsonaro (Brasil), Piñera (Chile), Lenin Moreno (Equador), Ivan Duque (Colômbia) e outros cães de guarda da Casa Branca.

Particularmente no Brasil, um expressivo setor da esquerda que caracteriza o regime bolivariano com as mesmas estúpidas e direitistas acusações dos governos fascistóides latinos, é o mesmo que vem se prostrando covardemente diante da crise que ameaça devastar o País. Setores da direita do Partido dos Trabalhadores (PT), o PSTU e o PSOL, juntamente com o PCdoB e outros partidos da esquerda parlamentar centrista se recusam a mobilizar a população para enfrentar a crise, de um ponto de vista dos seus interesses, do seu direito à assistência médica do Estado. Tudo o que fazem é incentivar os inócuos “panelaços” contra o presidente fraudulento Bolsonaro, como se esta ação fosse capaz de impor uma derrota ao governo de extrema direita, da burguesia e dos generais.

É vergonhoso e abjeto o papel que a esquerda vem cumprindo neste momento de gravíssima crise nacional, a mesma esquerda que se arvora em criticar o regime venezuelano, que mesmo sob um hediondo bloqueio econômico imposto pelo imperialismo genocida, implementa um programa de ajuda à toda a população do País.   Os regimes populares da América Latina (Cuba, Venezuela) enfrentam a epidemia com ações a favor de suas populações porque não se prostraram diante do inimigo maior, o imperialismo. Mobilizaram a população com a criação dos conselhos populares, de organização e defesa das conquistas sociais e dos direitos de todo o povo trabalhador.

Neste sentido, a esquerda nacional deve abandonar todas as ilusões em qualquer suposta e enganadora “ação popular” que venha do governo reacionário de Bolsonaro e dos governadores direitistas, exploradores. A palavra de ordem do momento é “nenhuma confiança nos capitalistas”; organizar a população em seus organismos próprios, os conselhos populares, por local de moradia e trabalho, única forma de conscientizar a população e fazer com que esta imponha sobre os governos burgueses a sua solução, a sua saída para o enfrentamento à grave crise epidêmica e econômica que assola o País.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas