Colômbia
Ditadura de Iván Duque é recordista em violações dos direitos humanos a ponto dos assassinatos políticos na Colômbia serem diários.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
39763803881_1e95f0f959_k
Presidente da Colômbia Iván Duque. | Casa de América

Mario Téllez Restrepo, ex-combatente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo (FARC-EP), foi assassinado na segunda-feira, 15/06, na localidade de Tibú, departamento Norte de Santander.

Téllez Restrepo, que se dedicava à agricultura desde a desmobilização das FARC em 2016, foi morto a tiros, deixando seus três filhos órfãos.

Com ele o número de mortes violentas de ex-combatentes das FARC depois do acordo de paz de 2016 chegou a 200. Personalidades dentro e fora da Colômbia se manifestaram contra essa onda de assassinatos políticos. Entre eles estão o secretário-geral da ONU, António Guterres, e a Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, que pediram ao governo colombiano que resolvesse esse problema. Tudo em vão, pois o governo de Iván Duque é o grande responsável por esse ambiente propício na Colômbia para o assassinato de quem era das FARC.

Não apenas ex-membros das FARC tem sido assassinados, mas líderes sociais, defensores de direitos humanos, camponeses, comunidades indígenas e afrodescendentes na Colômbia tem sido vítimas diretas da violência gerada por grupos armados irregulares.

Desde que foi ratificado o cessar-fogo entre as FARC e o governo colombiano em 2016, o número de mortos entre os camponeses e aqueles que os apoiam não para de crescer. O cessar-fogo era condicional, e uma das condições – a principal – é a deposição das armas pelas FARC. O problema é que o estado colombiano continua armado e, quando é para eliminar quem se opõe à sua política ditatorial e direitista, deixa o caminho aberto para que os grupos paramilitares façam o serviço sujo. Se esses grupos atuam sob ordem direta do governo ou não pouco importa, já que a falta de proteção por parte do estado é suficiente para que esses grupos cometam seus crimes. Isso é o que configura uma ditadura, entre outras coisas, pois quem se opõe a ela pode ser eliminado de forma totalmente ilegal.

Apenas lembrando, no ano de 2019 inteiro o número de mortes de camponeses e líderes comunitários chegou a 86.

Em 2020, até meados de fevereiro, 51 pessoas já haviam sido assassinadas por motivos políticos. Destaca-se em fevereiro de 2020 a descoberta em um cemitério no município de Dabeiba de uma vala comum com 10 corpos de pessoas executadas, sendo um deles pertencente a uma criança de 10 anos.

A conta atualizada dos membros das FARC assassinados apenas nos dois primeiros meses deste ano é de 14 pessoas.

Esses são apenas alguns exemplos. O fato é que está havendo uma escalada na brutalidade da ditadura colombiana, já que nos dois primeiros meses deste ano já se atingiu o número de assassinatos políticos de todo o ano de 2019, o que significa que esses assassinatos tem sido – na média – diários.

No contexto da maior crise econômica do modo de produção capitalista agravada pela pandemia do coronavírus, o fascista Iván Duque só sabe intensificar as violações dos direitos humanos, algo que a Colômbia é campeã há anos. Como qualquer governo neoliberal, o seu é incapaz de fazer qualquer coisa que não seja arrancar do povo para dar aos capitalistas. E como não há praticamente nada mais para se tirar dos explorados colombianos, a revolta destes é imediata, e a reação violenta de seus algozes também. E essa reação não tem freio – ainda! – porque uma das forças contrárias – as FARC – está desarmada.

O remédio para a Colômbia é o mesmo que precisa ser aplicado no Brasil no que diz respeito ao fascista Bolsonaro: a derrubada do governo de Iván Duque pela mobilização popular e a sua substituição por um governo dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas