Punição à mobilização popular
Sebastian Piñera declarou que usará o poder do veto contra projeto apresentado que pretende perdoar os presos políticos durante as manifestações que ocorrem desde outubro de 2019
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
chile
Protestos no Chile ocorrem desde outubro de 2019 | Foto: Reprodução

A insurreição popular ocorrida no Chile com os protestos que começaram em outubro do ano passado e se estenderam durante todo 2020 serão alvos de punições pelo presidente e ditador chileno Sebastian Piñera. Após o projeto de senadores da oposição sobre o possível perdão aos presos políticos durante as manifestações, Piñera foi categórico e disse que irá utilizar o poder do veto para que o projeto não seja aprovado e os presos sejam julgados e consequentemente punidos.

“Nosso governo expressa seu total desacordo e oposição ao citado projeto de indulto geral e antecipa que caso o projeto avance e se necessário, utilizará seu poder de veto para impedir sua aprovação”, disse Piñera.

Piñera declarou que “Consideramos que é um mau projeto e que viola a ordem pública, a segurança do cidadão, a democracia e o Estado de Direito”, uma grande demagogia, afinal todas as prisões, repressões, feridos e até mesmo mortos nos protestos aconteceram de forma e caráter político, numa clara ofensiva da extrema direita contra os movimentos populares e em nenhum momento visando a “democracia” ou o “Estado de Direito” dos cidadãos chilenos. Vale lembrar que a situação chegou a esse ponto no Chile devido ao péssimo governo de Piñera, onde ministros foram derrubados e até mesmo o próprio presidente se viu ameaçado pelas mobilizações, além de todas as políticas nocivas contra o povo chileno que são heranças da ditadura neoliberal de Augusto Pinochet.

Após o começo das manifestações por todo o país, Piñera tentou acalmar os ânimos com a troca de ministros, mas ao mesmo tempo instaurou uma verdadeira ditadura com um endurecimento ainda maior do regime e das repressões contra o povo chileno, o que não impediu que os protestos continuassem, demonstrando a verdadeira radicalização e polarização no país, onde nem mesmo a pandemia impediu os manifestantes de saírem às ruas, em que o povo chileno justificou a continuação das manifestações com a conhecida frase “se podemos trabalhar, podemos nos manifestar”, o que intensificou as manifestações devido à má gestão de Piñera diante da pandemia, mais um agravante para a situação política do país.

Diante da situação cada vez mais explosiva, o governo de Piñera e a burguesia chilena se viram obrigados a fazer concessões, e com o apoio da esquerda institucional aprovou a realização do referendo em que o povo chileno decidiu que uma nova Constituição deveria ser feita no país, para em tese enterrar de vez a era Pinochet na história do Chile. Porém, aquilo que parecia uma grande conquista popular se mostra a cada dia apenas uma tentativa de desmobilizar e acabar com as manifestações no país e transferi-las para o poder institucional, neste caso dominado pela burguesia e até mesmo pelo próprio governo de Piñera. É importante lembrarmos que a nova constituinte será feita ainda dentro do governo Piñera, e não há indícios de que a situação deva ser muito diferente da que está agora, onde o presidente chileno ainda age da forma que bem entende e não pretende ceder a mais nenhuma pressão da população e suas manifestações, o episódio do veto ao possível perdão dos presos políticos deixa isso muito claro.

Toda a manobra travestida de conquista popular tem um único objetivo, acalmar os ânimos e desmobilizar o povo chileno. A transferência da luta nas ruas para as vias institucionais e com os mesmos agentes ao qual o povo estava tentando derrotar, como Piñera e seus aliados, demonstra que a situação para o povo chileno deve mudar de forma muito singela, para não dizer nula, e as reivindicações essenciais devem ficar em segundo plano sob a custódia do governo Piñera e a burguesia na nova constituinte. Além disso, a desmobilização da população favorece o frágil governo chileno, que em pesquisa publicada na última segunda-feira (14) tem apenas 14% de aprovação da população, demonstrando o seu verdadeiro fracasso.  A tendência à radicalização e as mobilizações devem continuar no país para que assim os objetivos da classe trabalhadora sejam alcançados. É necessário que haja mobilização para que a pressão diante da nova constituinte seja feita, assim como já ocorreu no começo das manifestações e a queda dos ministros do governo.

Na luta política entre o povo e a extrema direita burguesa somente a mobilização e a radicalização dos trabalhadores é capaz de fazer com que seus anseios sejam alcançados, deixar a luta a reboque da esquerda institucional e das instituições burguesas é um grave erro que deve custar ainda mais direitos da população. É preciso lutar e exigir que os presos políticos do Chile sejam perdoados e não sejam condenados por estarem exercendo seu direito de se manifestar e lutar contra os abusos e a exploração da burguesia e do neoliberalismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas