É preciso mobilizar o povo
A burguesia quer utilizar as eleições para estrangular o potencial explosivo da luta dos trabalhadores contra o regime
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
boulos
Guilherme Boulos (PSOL), Fernando Haddad (PT) e Flávio Dino (PCdoB) | Foto: Reprodução

O jornalista Milton Alves, em matéria publicada no Blog de Esmael no dia 20 de julho, apresentou os supostos “desafios” que a esquerda deveria enfrentar nas eleições municipais de 2020:  a unidade política da esquerda, nacionalizar a campanha, agenda antineoliberal e reatar com a classe trabalhadora e a população mais pobre. Na discussão, o que mais chamou a atenção foi a ideia de que contra a “dispersão” eleitoral da esquerda seria necessário repensar a política de “alianças”, de modo a não dividir a esquerda.

Milton Alves apresenta essa ideia no seguinte trecho:

“A busca da unidade possível: Em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte o cenário, até o momento, é preocupante, com a dispersão da esquerda em várias candidaturas. Em SP, a candidatura de Guilherme Boulos, pelo PSOL, apresenta maior musculatura política, segundo as ultimas pesquisas. Jilmar Tatto (PT) segue estagnado em torno de minguados 2% e 3%. O PCdoB lançou o deputado federal Orlando Silva. Ou seja, um quadro de dispersão da esquerda, o que pode facilitar a recondução do tucano Bruno Covas ao governo paulistano, um aliado estratégico do governador João Doria. É necessária a redefinição da tática eleitoral do PT em São Paulo. Ou o PT apresenta Fernando Haddad, nome com maior potencial do partido, ou opera uma aliança já no 1º turno com Boulos. No Rio de Janeiro, com a desistência de Marcelo Freixo, o quadro aponta para a fragmentação da esquerda com Benedita da Silva pelo PT, uma candidatura do PSOL e a centro-esquerda (PDT e PSB) apresentando a delegada Marta Rocha, bem situada nas pesquisas”.

A preocupação do jornalista em unificar esforços para combater a extrema-direita é válida. Milton Alves, inclusive, acerta quando, em outro momento, defende que a esquerda utilize as eleições como plataforma da campanha pelo Fora Bolsonaro. No entanto, o raciocínio utilizado pelo jornalista no que diz respeito à escolha das candidaturas não corresponde à realidade.

Em primeiro lugar, o PT é o maior partido de esquerda do Brasil — e um dos maiores do mundo. O partido já ganhou três eleições para a prefeitura de São Paulo, tendo obtido mais de 3,3 milhões de votos em 2012. Enquanto isso, o candidato apresentado como o nome sobre o qual a esquerda deveria forjar uma aliança em São Paulo, Guilherme Boulos, é uma figura desconhecida que irá concorrer por um partido que não goza de popularidade alguma (PSOL). Nas eleições presidenciais de 2018, em que o PSOL recebeu votos de todo o País, Boulos obteve pouco mais que 600 mil votos.

Dizer que o PT lançar candidaturas próprias é uma política de divisão da esquerda é um equívoco. Em primeiro lugar, nos lugares em que o PT está sendo convidado a abrir mão de sua candidatura — Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Sul —, a esquerda não tem outro candidato realmente forte para substituir o partido. Em segundo lugar, a política de “alianças” deve ser vista com bastante cautela, pois, como fica claro no caso do Rio de Janeiro, diz respeito a uma aliança com partidos integrados ao regime político, como o PDT e o PSB. Partidos que contribuíram com o golpe de 2016 e que, entre outras atrocidades, entregaram a base de alcântara para os Estados Unidos.

A política de alianças com a direita e de desistência de candidaturas em nome de figuras impopulares deve ser substituída pela política de mobilização dos trabalhadores. É preciso intensificar a mobilização e colocar, ja, o governo Bolsonaro abaixo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas