Ofensiva fascista
A ofensiva fascista contra as mulheres se dá em todas as esferas, sejam elas em demonstrações públicas como também por vias constitucionais.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
aborto-640x434
Reacionários tentaram impedir que aborto fosse realizado. | Foto: Reprodução

Nos últimos dias, um caso de extrema violência ganhou a comoção nacional e colocou numa pauta central uma das principais reivindicações das mulheres e dos partidos de esquerda: o direito ao aborto.  O caso em questão ocorreu no Espírito Santo, onde uma criança de 10 anos sofria abusos sexuais do tio e assim acabou engravidando, onde seria necessário realizar o procedimento do aborto, sendo nesses casos um direito garantido por lei, por mais que restringida, afinal além de se tratar de uma criança a gravidez era fruto de um estupro. O ocorrido poderia ter ganhado o enfoque no fato de ser algo tão violento contra uma criança, mas o que realmente chamou a atenção foi a reação raivosa da extrema direita contra a criança e consequentemente contra todas as mulheres. Primeiramente a criança precisou se deslocar para outro estado para realizar o procedimento, saindo do Espírito Santo para o estado de Pernambuco, já que o procedimento foi a ela negado dentro do seu próprio estado, numa atitude completamente reacionária. Como se já não bastasse a humilhação, a garota e o médico que realizou o procedimento foram obrigados a se depararem elementos da extrema direita na porta do hospital dizendo palavras de ordem “pela vida” e chamando tanto a garota quanto o médico de “assassinos”, uma verdadeira barbárie fascista.

O ataque fascista em questão não é algo isolado, nos últimos anos as mulheres têm sofrido várias ofensivas da extrema direita contra os seus direitos básicos, principalmente o aborto, sejam em manifestações públicas completamente violentas como foi o caso recente que vemos, seja pelas vias institucionais, a extrema direita tenta minar de todas as formas os direitos das mulheres e agem de forma tão reacionária que querem colocar a sociedade na Idade Média novamente. A lei que garantiu que a garota abusada tivesse o direito de realizar o aborto, mesmo com tantos percalços, é dos anos de 1940, que garante o aborto em casos de estupro, ou quando a gravidez oferece riscos a vida da mãe e também em casos de fetos anencéfalos. Mas, com a escalada da extrema direita, principalmente nos âmbitos políticos, até mesmo essa lei tão restringente está sendo ameaçada. Somente em 2019, 28 propostas em Projetos de Lei (PL) foram colocadas à câmara com pautas relacionadas ao aborto, onde 12 delas buscavam restringir ainda mais os direitos a interrupção voluntária da gravidez pelas mulheres, sendo que o PSL, ex partido de Bolsonaro, foi responsável por seis desses projetos. Desde 1949 até agosto de 2019 foram apresentadas 275 propostas que envolviam a palavra aborto, mas durante as décadas os direcionamentos quanto a esse direito das mulheres foram se modificando, deixando de serem pela legalização em amplas situações – na década de 90 isso representou 40% das propostas apresentadas –  para um discurso mais reacionário e punitivista com o fim do direito já existente e punições mais severas para quem pratica em situações não permitidas – nos anos de 2010 isso representou 44% das propostas apresentadas, muito mais do que os 6% registrados na década de 90- , ou seja, com o passar dos anos as propostas ficam cada vez mais contra as mulheres, e não o contrário.

Os absurdos apresentados são muitos, desde obrigar as mulheres estupradas a levarem adiante a gravidez do seu abuso, como também a proibição da prescrição de métodos contraceptivos como DIU (dispositivo intrauterino) e pílulas do dia seguinte e progestógeno (minipílula), um verdadeiro retrocesso ultra reacionário. Isso se deve a dois fatores, a escalada da extrema direita e também uma maior participação religiosa dentro das esferas políticas, como por exemplo, o acordo entre representantes do governo brasileiro e do Vaticano firmado em 2007 para as normas de atuação de religiosos no país, o que deu mais poder para a Igreja Católica dentro do Estado, além do grande aumento de representantes das alas protestantes do cristianismo, formando a tão famosa Bancada Evangélica dentro do congresso, abandonando assim toda a idéia do Estado Laico tão reivindicado para tratar assuntos “polêmicos” perante a sociedade conservadora.

A hipocrisia destes setores da sociedade é muito claro quando analisamos seus posicionamentos perante os problemas sociais, demonstrando que não há outra preocupação a não ser com as suas questões conservadoras e reacionárias. Aqueles que apedrejaram com seus insultos a garota e o médico em Pernambuco se intitulam “pró vida” e preocupados com o feto, mas deixaram de lado a vida concreta que estava diante dos seus olhos sofrendo por anos e ainda sendo obrigada a ser acusada de assassinato. Ninguém dessas alas se preocupou com os danos psicológicos feitos a essa criança e o quanto isso poderia piorar se a gravidez fosse levada adiante, nem houve preocupação em garantir que essa criança pudesse levar uma vida infantil normal como todas as outras podem levar. Sugeriram como solução levar a gravidez até o final e depois colocar o bebê para adoção, mas ninguém se preocupou o quanto isso seria um risco a vida da menina e o quão traumatizante poderia ser o parto, e também o que poderia acontecer com o bebê depois, que certamente saberia do caso e de como ele chegou até a sua nova família. Isso só mostrou o caráter “pró nascimento” da extrema direita, em que por questões morais e sem fundamento se dizem os preocupados com a vida, mas ignoram a realidade dura e concreta de todas as mulheres que precisam se submeter a um aborto, além de ocultarem a culpa do verdadeiro culpado nessa situação, que foi o estuprador, não o médico e muito menos a criança.

Todos esses projetos que tentam restringir o direito das mulheres e até mesmo criminalizá-las mostram o verdadeiro projeto que a extrema direita tem para com as mulheres, agindo de forma ultra reacionária e de forma alguma progredindo para sua emancipação dentro da sociedade, muito pelo contrário, essas políticas propostas são a mais completa demonstração de como a extrema direita é repressiva, atrasada, reacionária e inimiga das mulheres. A luta das mulheres pela sua emancipação e liberdade dentro da sociedade está inteiramente ligada à luta contra a extrema direita e o fascismo, que são os piores inimigos das mulheres. Por isso, a luta das mulheres se dá contra esses ataques e qualquer projeto que imponha como a sua vida deve ser regida, principalmente em um campo tão importante que é a maternidade. O direito das mulheres ao aborto não é apenas uma questão de decidir sobre seu próprio corpo, mas também abrangem questões econômicas, sociais, de saúde pública e de emancipação social, e deve ser amplamente defendido. Não ao retrocesso contra as mulheres!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas