Genocídio programado
Sob a pressão dos capitalistas, pelo menos 15 redes públicas estaduais já têm previsão de retomada das atividades presenciais.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
70f504fe6d3021896028b187041a748b
Salas de aula vazias por conta da pandemia | Reprodução

Com um saldo de aproximadamente 200 mil mortos, a direita pretende ignorar a situação da pandemia e ampliar o número de mortos com a volta às aulas. Para a burguesia, tudo é uma questão de negócio. E, como todas as mercadorias, se não há circulação, não há retorno do capital investido. Assim, sob a pressão dos capitalistas, pelo menos 15 redes públicas estaduais já têm previsão de retomada das atividades presenciais. O retorno, portanto, deve se dar entre os meses de janeiro e março.

Os estados de São Paulo, Paraná e Goiás já têm data para o retorno e são apenas alguns que pretendem avançar com a medida genocida. No caso do Amapá e do Pará a situação não é muito diferente, resta-lhes apenas definir as datas. À medida em que os números dão conta da crise sanitária em que o país se encontra, a direita, como sempre, utiliza-se da demagogia para impor seus interesses, ou melhor – os interesses dos capitalistas. Dada a situação crítica em que o país se encontra, fica cada vez mais difícil esconder a catástrofe que se desenvolve com a pandemia. No entanto, sob o disfarce do modelo “híbrido”, as aulas devem voltar em uma “mescla entre atividades a distância e presenciais”. Ao menos é o que diz um dos porta-vozes dos capitalistas, no sítio uol, nesta terça-feira, 5. Contudo, mesmo lançando o modelo híbrido como fator de impulsão da volta às aulas, sabe-se que o Distrito Federal e outros quatro estados ainda não definiram se o modelo será híbrido ou totalmente presencial. Em suma, trata-se de um estratagema para que a volta às aulas seja concretizada, seja de uma forma ou de outra.

O plano, no que lhe concerne, dará prioridade a estudantes de determinadas séries ou será realizado em esquema de rodízio entre os alunos, avaliando-se a “necessidade” de cada estado. Em Goiás, por exemplo, o retorno às aulas será em 25 de janeiro, em sistema de rodízio, com ocupação de 30% da capacidade das escolas. Segundo a secretaria de Educação do estado, num primeiro momento, o retorno priorizará os alunos do 2º e do 3º ano do ensino médio, do 9º ano do ensino fundamental e os que não tiverem acesso à internet. No caso do Piauí, aprovou-se, em dezembro, um protocolo de retomada das aulas para as redes pública e privada de ensino. Sendo assim, a partir de 1º de janeiro, as escolas terão autonomia para definir as datas de retorno, desde que, por conta própria, apresentem um plano de medidas sanitárias a serem seguidas. Em São Paulo, sob a tutela da “direita civilizada”, o governador João Doria (PSDB), elaborou uma mudança nos critérios de reabertura das escolas; tudo, no fim das contas, para permitir que colégios públicos e particulares recebam seus alunos presencialmente até mesmo na pior fase da pandemia. Nesse caso, o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, defendeu a abertura das escolas como prioridade e disse não ser possível vincular a vacinação contra a covid-19 com a volta às aulas. Em Alagoas, pode-se dizer que o posicionamento não foi diferente. Assim como o tucano Doria, o “centrão” em nada se diferencia dos bolsonaristas. Sob a direção do governador Renan Filho (MDB), a retomada será autorizada para a rede privada a partir de 21 de janeiro. Na rede pública estadual, o retorno deve acontecer em 1º de março. “Não dá mais para levarmos adiante a educação paralisada”, disse Renan Filho (MDB) em dezembro. Em Espírito Santo, Maranhão, Paraíba, Rio de Janeiro e no Distrito Federal já fora definido o calendário para o ano letivo. Todavia, ainda não há decisão sobre o formato dessa retomada. No caso do Rio de Janeiro, a previsão é que o retorno se dê em março.

Diante do posicionamento genocida da direita, é importante destacar que a retomada das aulas presenciais acontece com o País se aproximando – oficialmente – dos 200 mil mortos, o que caracteriza essa política como genocida, voltada aos interesses da burguesia e indiferente à tragédia que produzirá sobre a classe trabalhadora. Ademais, é mister salientar o papel dos “científicos” no impulso a esta política, servindo, como em todos os casos, de avalizadores da burguesia. Nesse sentido, é imperativo que haja um movimento nacional organizado, a ser liderado por estudantes, professores, funcionários e demais membros da comunidade escolar contra as reaberturas, pela suspensão do calendário escolar até que as condições de segurança sanitária sejam reais e confirmadas pelos setores envolvidos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas