Direita planejou recrutar mercenários centro-americanos para atentados na Venezuela

iss

Caracas, AVN* – O vice-presidente Setorial de Comunicação, Turismo e Cultura, Jorge Rodríguez, denunciou neste sábado que dirigentes do partido Vontade Popular planejaram trazer grupos de sicários (matadores de aluguel) centro-americanos para realizar atos terroristas no  país.

“Foram recrutados assassinos e paramilitares utilizando grandes quantidades de dinheiro para que possam ser levados à Colômbia e receber treinamento”, disse.

Rodríguez informou sobre um grupo de 60 pessoas, treinadas por “El Agricultor”, que conseguiu introduzir na Venezuela cerca de 30 destes pistoleiros que se dedicaram a planejar ataques seletivos contra líderes sociais e instituições.

“Grupos paramilitares treinados na Colômbia conseguiram entrar na Venezuela depois do dia 23 de fevereiro. De 8 a 10 grupos de paramilitares, sicários e assassinos entraram pela fronteira com a Colômbia. Identificamos alguns paramilitares e os buscaremos por céu, mar e terra”, disse.

Informações de organismos de inteligência apontavam atividade estranha em El Salvador, Guatemala e Honduras, relacionadas com o crime e narcotráfico.

O também ministro de Comunicação revelou provas e conversas telefônicas detalhadas que ligam dirigentes da direita venezuelana com o deputado da Assembleia Nacional em desacato, Juan Guaidó, Leopoldo López, e Freddy Guevara, entre outros, na preparação destas operações terroristas contra a soberania da Venezuela, que incluíam desde ações armadas até o desvio e dinheiro do Estado.

As ligações realizadas do telefone de Roberto Marrero evidenciam que conspirou com Guaidó para gestionar financiamento destes atos terroristas.

“Marrero estaria envolvido no contrato de pessoas provenientes da Guatemala e Colômbia para cumprir com o plano de recrutamento e treinamento de sicários”, disse.

Rodríguez destacou entre as operações terroristas: o assassinato seletivo de líderes sociais e políticos, através de listas de nomes, novas sabotagens contra o metrô e teleférico de Caracas, fake news através de meios de comunicação e redes sociais; conspiração de greves gerais, assalto ao Palácio de Miraflores e ações terroristas de falsa bandeira.

O ministro acusou a direita nacional e internacional de pretender passar de uma estratégia de cerco econômico a uma estratégia de assalto, com o objetivo de tomar o poder em sua totalidade ou, bem, dividir o país em dois territórios.

* Os artigos reproduzidos não expressam necessariamente as opiniões deste diário e do Partido da Causa Operária