Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro museu
|

Da Redação – Nesta segunda-feira, dia 3 de setembro, o candidato a Presidência da república de extrema direita, Jair Bolsonaro, declarou que, se eleito, pretende extinguir o Ministério da Cultura. O candidato do fascismo no Brasil, estava em campanha eleitoral no Rio de Janeiro um dia após o trágico incêndio que atingiu o Museu Nacional e promoveu uma devastação total do acervo do museu.

Jair Bolsonaro é candidato a Presidência pelo PSL e, quando perguntado a respeito do acontecimento no Museu Nacional, afirmou que pretende extinguir o Ministério da Cultura e criar uma pasta dentro do Ministério da Educação para tratar destes temas. Curiosamente, a proposta de Bolsonaro, que se autointitulada um candidato de oposição, é exatamente igual ao que foi colocado em prática pelo golpista Michel Temer ainda em 2016. Diferentemente do que tenta aparentar, a verdade é que Bolsonaro não passa de mais um candidato golpista que tem o mesmo programa político de Temer, ou seja, levar adiante a destruição do patrimônio público e a devastação da cultura nacional.

Segundo a declaração do próprio Bolsonaro, ele não vê problemas em rebaixar a importância política de Ministérios importantes, tais como o da cultura e o da cidades. Nas palavras do próprio candidato “Não precisamos acabar com o Ministério da Cultura, mas podemos transformar em uma secretaria. Porque não pode ser um secretaria? Vai ser fundido ao Ministério da Educação, assim como o Ministério das Cidades deixa de existir. O dinheiro vai ser mandado direto para as prefeituras”. Assim como fez Michel Temer após o Golpe de Estado que destituiu ilegalmente a presidenta Dilma Rousseff, Bolsonaro pretende levar adiante uma reforma ministerial que retira recursos de áreas importantes, como é o caso da cultura.

Essas declarações deixam claro que o candidato fascista Bolsonaro não nada além de mais um candidato a serviço da política imperialista de destruição dos direitos do povo e da retirada de recursos públicos para encher os bolsos dos banqueiros. Vale destacar que Bolsonaro votou a favor das várias “reformas” do governo golpista de Temer e que foram totalmente nocivas a classe trabalhadora brasileira, retirando todos os seus direitos mais fundamentais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas