Direita golpista sul-americana cria novo órgão fantoche dos EUA para substituir a Unasul

unasul

Os governos golpistas e fantoches do Estado Unidos prometem criar um órgão internacional para substituir a União das Nações Sul-Americanas (Unasul). Criada há quase uma década atrás, a Unasul representa o ideal de integração dos povos latinos e de autonomia da região em relação aos EUA. Além disso, como uma proposta de integração regional, a Unasul colocava o Brasil em papel de destaque na defesa dos interesses da região.

Além de encerrar as atividades da Unasul, os governos do Equador, Chile e Colômbia, imbuídos da defesa dos interesses do imperialismo, pretendem criar o primeiro grupo de países da história do subcontinente que não será feito por iniciativa do Brasil. Oriundo de uma fraude eleitoral com apoio dos EUA, Bolsonaro aderiu ao novo grupo, chamado por enquanto de Prosul, e deve participar da sua reunião de fundação.

Ainda não se sabe ao certo quantos países irão participar dessa pantomima, espera-se que os únicos países não golpeados ou fraudados até agora, Bolívia e Uruguai, se recusem a participar. Dentro do suposto grupo, a Venezuela seria representada pelo delirante Guaidó, que não tem apoio ou reconhecimento dos líderes eleitos de Bolívia e Uruguai.

No próximo dia 22, os presidentes entreguistas da América do Sul, irão se reunir no Chile para discutir as mudanças. A reunião foi convocada pelo golpista chileno, Sebastian Piñera. A Prosul tem como principais proponentes o próprio Piñera além do presidente da Colombia, o governo mais subserviente e há mais tempo sob as garras dos EUA. Nesse contexto, fica claro que a informalidade em definir um nome não consegue esconder, nem de uma criança, as intenções imperialistas.

A Unasul foi uma iniciativa para melhor integrar os países sul-americanos, feita pelos governos nacionalistas de então. A direita sempre boicotou a Unasul e com os golpes de estado que varreram a esquerda, a direita que chegou ao poder não deixou mais a Unasul funcionar, desde o ano passado, principalmente para sabotar a Venezuela. É preciso lembrar também que, para que as condições de encerramento da Unasul fossem dadas, diversos golpes de Estado foram incentivados e financiados pelos EUA como também eleições fraudulentas, prisões de líderes políticos e ataques violentos aos opositores, como também houve no Brasil. Não por acaso, desde o golpe de Estado em Dilma Roussef a Unasul parou de funcionar e sua sede, no Equador, ficou jogada as traças.

Para o que EUA possam seguir com o isolamento de Venezuela e possam auxiliar na aplicação de políticas de terra arrasada nos países da região, é preciso atacar toda e qualquer ideia de autonomia e integração. Assim, a Unasul, mesmo que enquanto uma ideia, precisa ser destruída. Agora, esse novo órgão será uma extensão do imperialismo e
,através de seus principais fantoches, servirá para tramar contra a Venezuela e acabar com a verdadeira integração do continente, na verdade para melhor entregar e não integrar, a América do Sul e seus recursos para o saque imperialista.