HAMBURGUER_1
SHARE

A eleição mais democrática seria entre Lula e Bolsonaro

Anterior
Próximo

França

Direita ganha espaço nas eleições regionais e departamentais

Com abstenção recorde, partido de extrema direita de Le Pen perde espaço, Macron amarga um quinto lugar e direita toma a dianteira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Nem Macron, nem Le Pen! – Foto: Eric Feferberg/AFP

(*) Por Tiago Carneiro, correspondente em Luxemburgo

Foi realizado, nos dias 20 e 27 de junho, o primeiro turno das eleições regionais e departamentais francesas. O objetivo desse pleito é eleger conselhos de 15 regiões francesas, sendo duas delas de territórios chamados de “ultramarinos”, além dos representantes de 92 departamentos. Um total de 15.786 candidatos concorreram a 4.108 assentos. Os eleitos tratarão de assuntos como transporte, ensino público e planejamento territorial, os mandatos são de seis anos. Vale lembrar que essas eleições deveriam ter sido realizadas em março de 2021, mas foram adiadas devido à pandemia de COVID-19. 

Existia muita expectativa em torno desse pleito, uma vez que ele serve como uma espécie de prévia para o que pode acontecer nas eleições presidenciais de 2022. Mas o resultado não foi diretamente positivo nem para Marine Le Pen (Reagrupamento Nacional – RN), nem para Emmanuel Macron (República em Marcha – LREM). O primeiro lugar do pleito, considerando os votos nacionalmente, vai para o partido de direita Republicanos, que obteve 28% dos votos. O partido de Le Pen, de extrema direita, ficou em segundo lugar, obtendo cerca de 19% dos votos. O partido socialista e seus aliados ficaram em terceiro, com 16%. Os verdes, em quarto lugar, com 13%. Por sua vez, o partido do atual presidente Francês, Macron, amargou o quinto lugar com 10,9% dos votos (DW, 21/06/2021). 

Ainda, de acordo com o DW, a expectativa era que o partido de extrema direita que abriga Le Pen conseguisse seis das treze regiões da França metropolitana. Entretanto, o RN só irá para o segundo turno em uma região. Colocando em números, o partido de extrema direita obteve oito por cento a menos dos votos se comparado com o pleito de 2015, quando obteve quase um terço do eleitorado, 27,7%. A justificativa dada por Le Pen foi justamente a altíssima abstenção observada, cerca de 68%.

Os resultados obtidos pelo partido de Macron são reflexo da política antipopular levada pelo atual mandatário do Palácio do Eliseu. Durante o seu governo, eclodiu uma crise social muito aguda, o que levou ao movimento dos coletes amarelos, duramente reprimido pelas forças policiais. A forma com que o segundo país imperialista da Europa tratou a crise do Covid-19 é no mínimo vergonhosa, baseada em toques de recolher e repressão. Em 2020, o país não tinha testes ou qualquer tipo de equipamento de proteção individual para a população. Apenas em maio de 2020 as máscaras passaram a estar disponíveis para a compra. Agora, a França amarga 111 mil mortos durante a pandemia. Também foram aplicadas pelo presidente leis extremamente repressivas, como restrições às manifestações.  No fim do ano de 2020, cerca de 15% da população francesa estava na pobreza. Isso não impacta somente Macron e seu partido, mas também respinga na esquerda. 

A esquerda francesa, que embarcou na canoa furada de apoiar Macron durante o seu desastroso governo, também teve um resultado fraco, o que mostra a necessidade da esquerda ter uma política independente, que dê voz às reivindicações do povo trabalhador e não fique a reboque da burguesia. Como aconteceu no Reino Unido e na Alemanha, quando um partido de esquerda, que tem vínculos com a classe trabalhadora, segue a orientação política da burguesia, perde seu peso e sua influência política e torna-se desnecessário.

No que diz respeito às abstenções, antes do pleito, a imprensa burguesa já dizia que as eleições teriam uma abstenção nunca antes vista. De acordo com a Rádio França Internacional (RFI), foi observada, nas últimas eleições, uma abstenção de pouco mais da metade do eleitorado. Por sua vez, era esperado este ano uma abstenção ainda maior, de 60%. Após o pleito, os números mostraram uma abstenção recorde, estimadas em cerca de 68% do eleitorado, a mais alta desde 1958.

A imprensa capitalista mundo afora acusou as eleições na Venezuela como fraudulentas, muitas vezes usando a abstenção equivalente à francesa como justificativa para essa conclusão. Logo após as eleições de 2020, o secretário de Estado dos EUA no momento, Mike Pompeo, declarou em suas redes sociais que “as eleições na Venezuela não apresentam os mínimos padrões de qualidade”. O imperialismo europeu, como bom capacho dos EUA, apressou-se em publicar uma nota similar no site do Conselho da União Europeia. O interessante é que, quando se trata de falar de um país imperialista, a imprensa capitalista é complacente, apenas comenta sobre os números de abstenções como fato corriqueiro e esperado. 

Por fim, essas abstenções apontam uma crise no regime político francês. A imprensa capitalista justifica esse fato de diversas maneiras, tais como a pandemia de COVID-19 ou afrouxamento das regras do uso de máscaras em pleno verão, o que levou os franceses a preferir ir à praia a votar, por exemplo. Na verdade, o povo francês está cansado dos ataques de Macron e percebe que a extrema-direita tem uma saída absolutamente demagógica. Os trabalhadores franceses não querem nenhum dos dois, mas não veem nenhuma alternativa no momento, uma vez que essa alternativa, que seria a esquerda, insiste em se agarrar à direita tradicional e à burguesia ao invés de se tornar independente e propor uma saída radical, uma derrubada de todo o regime político carcomido e um governo da classe operária.

Isso pode ter graves consequências nas eleições presidenciais de 2022, com a continuidade do neoliberalismo de Macron com o apoio da esquerda ou com a vitória da extrema-direita fascista, caso consiga um apoio popular com muita demagogia.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.