A direita e seus lacaios rosnam contra as disciplinas sobre o golpe nas universidades

Após inúmeras universidades no País (já são 15) organizarem disciplinas sobre o golpe de estado no País, uma clara ação de resistência à política dos golpistas contra os direitos da população e contra as universidades públicas, a direita por meio da sua imprensa não tardaram em iniciar uma campanha contra os professores, os cursos e as instituições que estão se posicionando contra o golpe.

Um dos escolhidos para propagar a campanha foi Demétrio Magnoli. Pau mandado dos golpistas, Magnoli, que é professor universitário da Universidade de Brasília, é um direitista de marca maior. Coxinha de alta classe, o “professor” Magnoli, fez e faz campanha à favor do golpe, já se colocou abertamente contra as cotas raciais nas universidades, é o defensor da ideia de que não há racismo no Brasil, isso mesmo com os negros tendo os mais altos índices de desemprego, mais baixos salários, baixa presença nas universidades, elevadíssimos índices de mortes de negros provocadas pelas ações criminosas da Polícia Militar nas periferias do País etc.

Para Demétrio Magnoli, as disciplinas sobre o golpe seriam puro marketing dos professores, o golpe não passaria para ele de uma “narrativa” e as disciplinas depredariam as instituições de ensino. É preciso deixar claro para este direitista coxinha que o que depreda a universidade pública é a presença de elementos como Demétrio Magnoli, um lacaio do imperialismo, cuja a presença nos meios acadêmicos só serve para fazer propaganda da política daqueles que são contra o ensino público, que querem privatizar as universidades brasileiras, censurar e calar a esquerda e todos os setores que se levantam contra o golpe.

A reação de Magnoli e da direita contra a iniciativa se docentes progressitsas das universidades demonstra o acerto da proposta de organizar cursos sobre o golpe de 2016. É necessário intensificar essa iniciativa e organizar o curso em todas as universidades do país. Organizar também comitês de luta contra o golpe no interior das universidades, mobilizar professores, alunos, funcionários e toda a comunidade acadêmica contra o golpe de estado.