Brasil, epicentro da pandemia
Direita tradicional é tão genocida e responsável pelas mortes no Brasil quanto Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Doria
João Dória, um dos representantes da direita dita "científica" | Foto: divulgação

A política de luta contra o coronavírus organizada pela direita no Brasil está chegando ao fim. Em diversos locais, já se abandona a quarentena e as regras do isolamento social. Em São Paulo, maior cidade do país e local com o maior índice de casos e mortes de coronavírus do Brasil, já se está discutindo a reabertura de restaurantes e bares, serviços que nada têm de essencial. Em diversas outras cidades e Estados, a situação é semelhante.

O que é mais curioso sobre esse fato é que a política de reabertura se dá em pleno pico da pandemia. O número de infectados pelo coronavírus no país já passa a marca de 1 milhão e segue crescendo em ritmo absurdo, com cerca de mil mortes por dia. O país está atrás apenas dos Estados Unidos, que é o mais atingido pela pandemia no mundo. Mas, se levarmos em conta a subnotificação praticada pelos governos brasileiros, já podemos estimar que o Brasil está em primeiro lugar no número de casos e de confirmados.

Neste momento, é necessário fazer uma retrospectiva sobre a atuação das diferentes forças políticas do país com relação à pandemia de Covid-19. Desde o princípio, estava muito claro para todos que Bolsonaro representava a política de ignorar qualquer recomendação e qualquer medida de proteção à saúde da população. Defendia que não se devia parar as atividades econômicas nem por um momento, deixando que todos se infectassem com o vírus e que morresse quem tivesse que morrer.

Porém, uma parte da esquerda pequeno-burguesa caiu na ilusão de que, em oposição a essa política de Bolsonaro, estava a direita tradicional, representada pelos governadores dos Estados, mais especificamente por figuras igualmente aberrantes como João Doria e Wilson Witzel. Devido a uma demagogia que essa direita fez com a classe média, criou-se a ilusão de que ela seria uma direita consequente, preocupada e até “científica”, fazendo uma propaganda da política do “fica em casa” e atacando Bolsonaro quando lhe era conveniente.

No entanto, quando se observa o conteúdo real da política desses governadores, fica claro que nenhum deles impôs nenhuma luta ao coronavírus. A quarentena realizada por eles foi e segue sendo uma verdadeira farsa. Enquanto setores de uma classe média privilegiada ficaram em casa propagandeando a política da direita tradicional, a quase totalidade da classe trabalhadora – que representa a maioria da população brasileira – teve que continuar trabalhando. 

São pessoas que tiveram de prosseguir tomando transporte público, tendo que se aglomerar em fábricas, supermercados, atuando nos correios e tudo mais, sem que houvesse, da parte dos governos, quase nenhuma medida de auxílio a eles durante a pandemia. Uma boa parte dos trabalhadores dos transportes se infectou com a doença. Além dos funcionários de hospitais, que não possuíam EPIs e quase nenhuma assistência do governo, nos correios muitos também morreram e o mesmo vale para todos os setores da classe trabalhadora que não tiveram o privilégio de “ficar em casa”.

Também é criminosa a ausência de investimento em leitos de UTIs, em novos hospitais, na contratação de agentes de saúde e, principalmente, de testes, que deveriam ser oferecidos massivamente para toda a população. Os exames do coronavírus só são oferecidos para quem vai atrás deles e tem condições de pagar por eles.

Agora, a quarentena vem chegando ao fim e o saldo dessa política genocida, da parte do governo federal e também dos governos estaduais, está aí para quem quiser ver. O país está no topo dos índices de contágios do mundo e sem nenhum sinal de diminuição. A esquerda também tem culpa nisso, por ter se omitido enquanto a direita atacava e matava a classe trabalhadora. A única forma de acabar com essa situação e oferecer alguma esperança de reação para o povo é por meio da luta política, com mobilizações verdadeiras de rua, pelo “Fora Bolsonaro” e por um programa verdadeiro de luta contra o coronavírus e contra a direita criminosa, que segue assassinando o povo com uma política deliberada de genocídio.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas