Porto Seguro
Para impor a frente ampla, ala direita do PT comandada por Jacques Wagner e Rui Costa fazem candidata do PT desistir para apoiar um golpista contra a base do PT
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
uldurico wagner
Jaques Wagner e Uldurico Junior. | Foto: reprodução

N última sexta-feira (13/11), os militantes e simpatizantes do Partido dos Trabalhadores foram surpreendidos com uma decisão da candidata do PT a prefeitura de Porto Seguro (BA), Lívia Bittencourt, de abandonar a sua candidatura e apoiar o golpista e bolsonarista Uldurico Junior (Pros), ligado a ACM Neto.

A decisão caiu como uma bomba não somente entre o PT, mas em toda a esquerda da cidade com a decisão e com o apoio do senador Jacques Wagner e do governador Rui Costa. A traição de Lívia e da ala direita do PT ligado ao senador e ao governador causou uma enorme confusão entre os apoiadores da campanha, o PT e da esquerda em geral que não entenderam a manobra e saíram realizando uma campanha ainda pior que a decisão traidora de Lívia, Wagner e Rui Costa.

Setores da esquerda, como o PSOL comemoram o golpe contra o PT de Porto Seguro, grupo de mulheres atacaram o PT e se solidarizaram à traidora Lívia, militantes se posicionaram a votar em outro bolsonarista candidato na cidade devido a traição do da cúpula do PT no Estado, mas temos que entender que essa é uma politica que está sendo utilizada em todo país para a esquerda na chamada frente ampla, que nada mais é colocar os trabalhadores e a luta contra o governo Bolsonaro a reboque da direita golpista.

Dentro do PT essa política é defendida pela ala direita do partido e é coordenada pelo senador Jacques Wagner e pelo governador Rui Costa que realizam uma política de se alinhar com a direita golpista em detrimento do PT.

 

Dois golpes contra os militantes do PT

 

A candidatura de Lívia para a prefeitura de Porto Seguro foi uma imposição do próprio Jacques Wagner para o diretório municipal do PT e sua base que foi totalmente contrária, mas não reverteu a situação.

Lívia nunca foi do PT e nem havia simpatia pelo partido. Era filiada ao PSB e foi eleita vereadora por este partido e chegou a ser secretária de Assistência Social, da atual prefeita Cláudia Oliveira (PSD).

A sua filiação foi um “enxerto” dentro do PT para impor essa política da direita do PT e passar por cima dos militantes do PT na cidade, tanto foi assim que gerou uma enorme crise e houve afastamento de pessoas do partido e a saída de vários quadros. Foi uma candidatura para sufocar uma candidatura ligada aos trabalhadores na cidade.

A ligação de Lívia com Jacques Wagner e Rui Costa é muito intensa e o abandono de sua candidatura sem consulta aos militantes do PT é uma enorme traição. É apenas uma correia de transmissão de uma política de acordo com a direita golpista. Seu choro e tristeza é somente uma maneira de evitar críticas diante do enorme repúdio de toda a base do PT da cidade da política de frente ampla com a direita importa pela direção do PT da Bahia.

 

A frente ampla na prática

 

A direita que estão na direção do PT da Bahia está colocando em prática a política da frente ampla e o caso de Lívia Bittencourt é uma aproximação com a direita golpista desde o início. A decisão de Jacques Wagner e Rui Costa em fazer com que a candidata ligada a ala direita do PT em desistir da candidatura a prefeitura de ultima hora e sem chance de substituir Lívia é um enorme golpe contra os militantes do PT e uma aproximação cada vez maior da ala direita do PT com os golpistas ligados a ACM Neto.

Jacques Wagner, Rui Costa e Lívia Bittencourt estão apoiando Uldurico Junior, um golpista ligado a ACM Neto e Bolsonaro, que atacou o PT, votou pelo impeachment de Dilma Roussef, a prisão de Lula, e todos os ataques realizados pelo governo Bolsonaro como a reforma da previdência e contra a manutenção do auxílio emergencial.

A direita do PT busca apoiar setores da direita golpista que possuem uma divergência extremamente secundária, mas que votam em sua totalidade nos ataques da direita contra a população, buscando alternativas a uma ala esquerda do PT e ligada a Lula. A direita apoia a frente ampla porque passa por um processo “reciclada” depois de dar o golpe e apoiar os ataques do governo Bolsonaro contra os trabalhadores.

 

A direita quer uma esquerda domesticada

 

Diante do agravamento da crise, a direita busca meios de evitar uma luta nas ruas contra o governo Bolsonaro e que haja um avanço da luta contra os golpistas. Querem ter o controle da situação e que a esquerda se coloque a reboque de uma política de direita.

A esquerda realiza essas frentes com a direita a troco de nada, apenas para que as manifestações sejam estranguladas e não haja luta contra a direita nas ruas, mas apenas dentro das instituições. Esse comportamento de Jacques Wagner e Rui Costa somente fortalecem a direita golpista e desmoralizam a luta contra o golpe, contra o governo Bolsonaro e contra os ataques da direita no Congresso Nacional.

A política da direita do PT é amplamente rejeita e a decisão em Porto Seguro abriu uma enorme crise, tanto que Lívia foi colocada para correr, sendo chamada de traidora e vendida por militantes do PT. O golpe da direita foi tamanho que a desmoralização pode prejudicar os candidatos a vereador e levar a uma derrota ainda maior nas eleições.

É necessário denunciar e lutar contra a frente ampla e denunciar a ala direita do PT, liderada por Wagner e Rui, de isolar setores populares e ligados aos trabalhadores para beneficiar candidatos da direita golpista como Uldurico Junior.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas