Siga o DCO nas redes sociais

MST
Direita bolsonarista faz despejo violento em Pernambuco
Tropa de choque da PM, oficiais e justiça e corpo de bombeiros são ferramentas nas mãos da direita para executar expulsão de agricultores de forma violenta em Pernambuco.
Cerca de 80 famílias sofrem hoje com despejo forçado no Engenho Beleza, ocupado em 2015.
MST
Direita bolsonarista faz despejo violento em Pernambuco
Tropa de choque da PM, oficiais e justiça e corpo de bombeiros são ferramentas nas mãos da direita para executar expulsão de agricultores de forma violenta em Pernambuco.
A polícia se apresenta como a milícia fascista oficial do estado. Foto: MST/PE
Cerca de 80 famílias sofrem hoje com despejo forçado no Engenho Beleza, ocupado em 2015.
A polícia se apresenta como a milícia fascista oficial do estado. Foto: MST/PE

Mais um ataque ao MST aconteceu na última quinta-feira, 31 de outubro. Dessa vez, o alvo da ação truculenta da polícia, oficiais de justiça e corpo de bombeiros foi o acampamento Beleza, no município de Aliança, no estado de Pernambuco. O ataque começou logo cedo, às 6 horas da manhã, pelas tropas de choque da polícia militar. Casas, plantios e tudo mais foram destruídos de maneira incisiva.

Como de costume, os trabalhadores foram deixados a relento, sem a mínima condição de subsistência. Além disso, idosos e crianças ficaram desesperados e desamparados. Inclui-se aí uma pessoa com problemas cardíacos que passou mal e teve de ser levado ao hospital. No total, 80 famílias foram expulsas do acampamento, ocupado em 2015.

O acampamento Beleza faz parte da Usina Cruangi. Uma vez que o antigo engenho Beleza estava em condições precárias, os sem-terra fizeram o que deveria ter sido feito: ocuparam o terreno. Após a ocupação, foram plantados feijão, milho, mandioca e hortaliças, dando o caráter produtivo à terra.

O MST de Pernambuco afirma que fora criada uma comissão de conflitos composta apenas de membros do governo. Se assim for, a possibilidade de impedir algum conflito se torna nula. Pelo contrário, cria a impossibilidade de um diálogo realmente democrático entre as instâncias governamentais e populares. Por mais que a intenção da comissão seja supostamente reduzir o impacto dos despejos, está diretamente ligada às ordens para tal ação. Pelo contrário, são intermediário no sentido de impedir que a fúria ao governo seja direcionada.

A política da extrema-direita é a de atacar as organizações de trabalhadores e depois se esconder atrás de uma muralha de burocracias. Para os sem-terra não é diferente. Queimam e destroem suas condições de vida no sentido de desorientar e desagrupar os agricultores e suas famílias. Assim, procuram tornar mais fácil o ataque à cada um destes, sua perseguição. É só através do ataque isolado que o fascismo consegue avançar, pois contra a massa de trabalhadores organizados a barbárie se torna impossível.